a bela e ela mesma

Escrever é fascinante, sabia? Porque posso falar comigo mesma, com você e com uma multidão.

Gabrielly Rezende

Erotica - um álbum sofiscado, notável e cativante

Obviamente, todos já ouviram o nome da Madonna em alguma manchete, site de fofoca, envolvido em polêmicas ou informando sobre sua importância no mundo da música. Ela é considerada uma das maiores artistas de todos os tempos, a mais bem sucedida do cenário da música e a cantora solo com maior número de turnês no top 10 mais lucrativas, entre vários outros recordes. Com músicas provocativas e shows repletos de mensagens, Madonna sempre terá uma poderosa influência na cultura pop. E um exemplo, entre muitos, de sua importância é o álbum Erotica.


Madonna_-_Erotica_Logo.png

Madonna, como todos nós já sabemos, é considerada uma das maiores artistas de todos os tempos. Com músicas provocativas, shows ousados e álbuns inovadores, podemos dizer que Madonna é, de fato, uma artista visionária. Ela já lançou 13 álbuns, 10 turnês e é uma das artistas mais bem sucedidas do mundo da música.

É importante dizer que sua influência não está restrita apenas a musica. Madonna conseguiu trazer novidades para a moda (quem lembra o sutiã cônico, por exemplo?), cinema, para a produção de videoclipes, etc. Com mais de 30 anos de carreira, ela continua sendo capaz de propor novas tendências, além de inspirar fãs e muitos outros artistas.

Falaremos, então, sobre o álbum Erotica...

É importante situar o momento do lançamento com o contexto da época: o mundo estava atravessando um período de grandes mudanças, AIDS, ainda havia muito tabu sobre o sexo, as mulheres conseguiam alguns pequenos avanços, homossexualidade como sinônimo de doenças sexualmente transmissíveis, etc.

Em seu quinto álbum de estúdio, ela reuniu todos seus desejos e os mostrou através de um trabalho original e repleto de questionamentos. Lançado em 1992 e com a colaboração dos produtores musicais Andre Betts e Shep Pettibone, o álbum traz uma musicalidade suave, que contem elementos do house e do jazz. É considerado o álbum menos vendido na carreira de Madonna, e só foi elogiado pela crítica alguns anos depois da sua estreia. No mesmo ano, ela lançou o livro chamado Sex que englobava as fantasias sexuais de Dita (alter ego da Madonna): fotos que confessavam sonhos eróticos, sadomasoquismo, uma liberdade sexual sem demarcações.

O primeiro single, homônimo do álbum, chocou o mundo. Com uma voz bastante afetuosa, com gemidos, Madonna se apresenta como Dita e diz que será nossa amante. A música é sobre se deixar levar, saborear o prazer e o sexo, usar a imaginação e curtir. Que é totalmente possível sentir satisfação sexual livre de qualquer preconceito. O clipe foi censurado em alguns países por apresentar imagens referentes ao livro Sex, e em outros países só era exibido durante a madrugada.

madonna-erotica-20anos.jpg

O segundo single, Deeper and Deeper, é a música mais animada e dançante do álbum. Apesar do título sugestivo em um trabalho com ideias sexuais, a música fala sobre liberdade de viver, sobre paixão e permissão para amar desmesuradamente. O clipe, dirigido por Bobby Woods, mostra Madonna descobrindo a noite ao lado de amigos, e é repleto de símbolos que podem ser interpretados de várias maneiras.

E, como terceiro single, temos Bad Girl que é uma canção infeliz, taciturna. Ainda que discorra sobre um amor inofensivo e virtuoso, Madonna retrata uma mulher que adota uma forma de viver inconstante devido ao álcool, cigarro e um comportamento obstinado. Na realidade, as drogas podem funcionar como uma fuga de sua existência amargurada. Na direção do clipe, que é considerado dos vídeos mais bonitos da carreira de Madonna, temos o famosíssimo David Fincher. Nesse vídeo, vemos Madonna como uma mulher bem sucedida, porém descontente e que abusa das bebidas.

Para ser o quarto single temos a regravação de Fever, que foi colocada na fase final da produção do álbum. Com uma voz bastante tênue e serena, ela diz sobre a sensação da paixão que é febril, estimulante.

O quinto single é a balada Rain e foi eleita pelos críticos como uma das melhores músicas de Madonna. Alguns acreditam, precipitadamente, que a música possui um segundo sentido, uma comparação ao sêmen. Todavia, podemos entender Rain como uma metáfora: a chuva no sentido de lavar todas as sujeiras da alma, abrindo um espaço íntegro e limpo para o amor. Em relação ao clipe, dirigido por Mark Romanek, devemos considerar que é uma produção de altíssima qualidade com efeitos visuais impecáveis, como o ajuste caprichado de cores e luzes, por exemplo. Para muitos fãs, incluindo críticos, o vídeo está entre os preferidos e o mais bonito.

madonna_rain.jpg

A música Bye Bye Baby foi selecionada como o sexto single, e logo nas primeiras letras Madonna avisa que não se trata de uma canção de amor, embora tenha um arranjo sedutor. Basicamente, diz respeito a um relacionamento exaustivo e que, por isso, deve acabar.

Há outras canções que não foram singles, porém merecem um destaque, por exemplo...

In This Life é, sem dúvida, a música mais triste do álbum. O assunto central dessa faixa é a AIDS, e Madonna conta que perdeu duas pessoas queridas vítimas da doença. Alguns questionamentos são levantados através da letra, como o preconceito e a indiferença das pessoas no que tange ao problema da AIDS. Que elas preferem virar as costas para esse problema, que precisamos ter respeito e empatia pelo próximo.

Em Where Life Begins, Madonna canta os versos como se estivesse conversando com os ouvintes, e há uma sonoridade bastante envolvente. O nome da música é convidativo e representa outra metáfora: comida caseira e a “de fora”, e o prazer erótico. Madonna diz, por exemplo, que isso não é uma conversa de sala de jantar e que todas as garotas deveriam comer fora. Que a vida e a diversão começam lá “em baixo”, e que devemos deleitar da nossa sensualidade.

Por fim, em Why It´s So Hard, temos uma mensagem sobre amor em um mundo individualista e cada vez mais tirano. Na realidade, a maior parte da música é concebida por perguntas como: o que preciso fazer para ser aceito? Em qual grupo entro para me sentir respeitada? Quem deve dizer no que acredito? Como devo parecer para ser igual? Por que é tão difícil amar?

Erotica aborda temas relevantes e continua sendo um dos trabalhos mais geniais de Madonna. Foi lançado na década de 90, mas poderia ter sido divulgado em nosso momento atual, afinal de contas muitos tabus persistem na sociedade como a liberdade sexual, por exemplo. É um álbum maduro, requintado, surpreendente, moderno. Podemos dizer, inclusive, que ele inspira coragem para expressarmos nossa sexualidade, nossos desejos. Que suscita o amor ao próximo, a ser quem quisermos e não sentir medo de vivenciar aventuras. Que sexo pode e deve ser seguro, prazeroso e recreativo para qualquer pessoa. Que o padrão pode ser contrariado.

E podemos concluir o texto reiterando a grandiosidade e a imponência de Madonna no mundo pop através de todos os seus trabalhos, sejam eles antigos ou mais recentes. Obviamente, cada um de nós possui um gosto musical, um cantor que mais admira, no entanto jamais podemos ignorar o que Madonna fez para a música, principalmente. Talvez o mundo esteja necessitando de mais artistas corajosos, rebeldes e que nos façam abrir a mente.

Que a música, assim como qualquer outra forma de arte, traga reflexões construtivas e nos possibilite uma maior conexão com as diversidades.


version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //Gabrielly Rezende