a biblioteca de babel

Todas as Palavras são Palavras de Amor

Mateus Machado

Teve Simioto na infância. Publicou livros de Poesia. É a favor do caos criativo. Detesta propagandas de cerveja. Não vê esperanças na política e nos demais centros de poder. Não tem ideologias. Fã do John Coltrane, Lou Reed, Cartola e São Francisco de Assis. Apaixonado por música, literatura, cinema & gatos. Mora em qualquer lugar.

Jeanine Will – Quando o Sonho é Destino

Seguindo a nota Testamentária de André Breton a poeta Jeanine Will vai além com seu "Caminhão de Mudança", carregando seus objetos metamórficos e suas noites palpáveis. É a alma mudando de lugar.


20171201161145_8999991001_DZ (1).jpg

Arthur Rimbaud em sua “Carta do Vidente” fala que “a mulher descobrirá o desconhecido! Seus mundos de ideias divergirão dos nossos? (...) nós as teremos, nós as entenderemos.” A mulher descobrirá o desconhecido que está dentro dela mesma, porque é sacerdotisa da Alma do Mundo, como sempre foi; ela apenas está, depois de séculos de repressão, retomando o seu poder pessoal através do Verbo.

Este novo Século, mais do que nunca, dará Voz à mulher e creio que, é a mulher que ensinará ao homem a falar de Alma para Alma.

Jeanine Will inaugurou a sua bibliografia com o seu “Caminhão de Mudança” provando a sua maturidade poética. E parece nos provocar com o título do seu primeiro livro, segundo a nota testamentária de Breton – “...peço que me transportem ao cemitério num caminhão de mudanças”.

Ao folhear o livro, antes de iniciar a leitura com mais calma, lembrei-me primeiramente do poema “Não Toques nos Objetos Imediatos” de Herberto Helder:

Não toques nos objetos imediatos A harmonia queima. Por mais leve que seja um bule ou uma chávena, são loucos todos os objetos.

Os objetos de Jeanine me parecem mais translúcidos, metamórficos, ainda mais leves; aí está a loucura deles. São imediatos porque transitam entre o sonho e a vigília, se deslocam e se chocam entre si. E chega a hora em que temos que organizar o nosso “quartinho da bagunça” (nosso inconsciente), revirar as tralhas amontoadas, limpar o mofo. E, numa mudança, muita coisa acontece; coisas se quebram, se perdem, objetos são esquecidos, são redescobertos, lembranças são agitadas nas águas da memória. Cada objeto tem o seu valor pessoal, carrega a sua história. Mudar de Casa é um tour para dentro de nós mesmos.

A poeta se preocupa com as imagens, com a fotografia no escuro, de olhos vendados (se preciso) como se fotografasse cenas oníricas dançando em sua memória. É o olhar de um voyeur que sabe ver de dentro para fora e consegue captar as sensações em um piscar de olhos.

27656963_1665014573557565_5016525348701151694_n.jpg

Sobre o caráter onírico de sua poesia, já mencionado por Claudio Willer, isso a aproxima, intencionalmente ou por acidente, de obras noturnas e seminais como Finnegans Wake de James Joyce. Há também o imaginário de algumas culturas arcaicas, entre elas os aborígenes australianos, em que a vida é um grande sonho e ao morrer, despertamos.

No poema “Um Minuto de Pedra” a poeta revela que “a noite é pesada ao cair do mundo”, é a noite oculta no piano, infiltrada em suas teclas, ou pousando como uma nave mãe sobre a cidade dos vivos e dos mortos. A noite torna-se uma entidade palpável e ela pode ser tocada sim, no resumo dos corpos adormecidos ou não. É nos sentidos da matéria que a noite impera.

A noite predomina. Mesmo em vigília, insone, a poeta é mergulhada nas sombras do inconsciente levando consigo apenas os “espinhos de luz” cravados nos olhos; é a luz de sua própria centelha poética que ilumina as trevas no silêncio do Verbo (da trama do Verbo).

A poeta Jeanine Will nos traz a sua poesia-puzzle no que concerne as combinações inusitadas – objeto/subjeto/trans-objeto – encaixando perfeitamente as peças de paisagens diferentes em um mesmo quadro, em uma única imagem; o auto-retrato do seu íntimo reflexo, ou podemos ir mais além; o auto-retrato do “outro”; e o “outro” é o espelho de si na busca de sua completude.

22885943_1567032730022417_3036369703451685732_n.jpg

Sua poesia vem traçando caminhos carregados de paisagens exóticas, construindo uma geografia em constante metamorfose; ora se retrai ora expande. A delicadeza de sua poética talvez seja a característica de mais fácil identificação. Basta lermos versos como estes:

...a dor arranca pétalas dos lábios

há dez anos desembrulho essa cidade e agora você se coloca na moldura dos olhos” (...) “...e me sobe um paraíso na nuca: Sua voz se acende às três da manhã

Ou ainda

apanho com os olhos uma intenção de estrela

A morte também transita e faz parte da paisagem, ainda que como um sonho, mas nunca como um pesadelo.

a morte levante-se do chão e toca nosso trompete mas o som de metal mastigado ainda não caria a noite

Estou convencido que na poesia de Jeanine, ao menos em seu primeiro livro, a morte é quando a alma muda de lugar; e a alma está sempre em movimento, habitando, de tempos em tempos, corpos diferentes para experimentar outros sonhos. E não se trata do medo da morte, mas de sua aceitação, uma vez que os objetos são as provas íntimas da transitoriedade da vida; a ilusão da vida se revela paradoxalmente na matéria, na concretude dos objetos. Morrer é mudar de lugar; ainda que o corpo (ou a alma) seja transportado até o cemitério em um Caminhão de Mudança.


Mateus Machado

Teve Simioto na infância. Publicou livros de Poesia. É a favor do caos criativo. Detesta propagandas de cerveja. Não vê esperanças na política e nos demais centros de poder. Não tem ideologias. Fã do John Coltrane, Lou Reed, Cartola e São Francisco de Assis. Apaixonado por música, literatura, cinema & gatos. Mora em qualquer lugar..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// //Mateus Machado