a dama célebre

Do Éden ao leito, as minhas loucuras

Charlote Claire

Caloura de Biologia, 17 anos, Gemini. Cantora de chuveiro desde os 6 anos, poeta entre os intervalos das aulas, Drama Queen. Componho músicas para musicais imaginários e preciso consertar o meu violoncelo! Nasci no século errado, sou completamente das antigas, ''old school'', que seja! Ah, e para finalizar, serei sempre, eternamente, uma Dancing Queen.

Drag Queens e o orgulho de ser mulher

A relação das Drag Queens com o movimento em prol da mulher.


Deendjers.jpg

Em 1870 o termo ''drag'' foi empregado para se referir a atores transvestidos de mulher. Atualmente é possível separar o termo Dressed Resembling A Girl (Vestido como uma menina) em dois: Transformistas, que vem justamente de onde o significado do termo se originou: a partir de um movimento artístico, uma personagem criada por artistas performáticos; e ''Drag Queen'' associados a questões LGBT.

''Drag queens são a exacerbação do lado feminino de homens que encontraram na arte uma forma de expressão e até de aceitação.'' (Marina Pinhoni, Tatiana Regadas e Thaís Lima, G1, São Paulo)

Apesar de frequentemente estar associado à comunidade LGBT, ser drag é uma arte que abrange muito mais. Por exemplo, nada impede um heterossexual de se montar para fins artísticos, já que tal personificação artística nada tem a ver com a insatisfação do próprio gênero.

Mas afinal, qual a relação disso com o orgulho feminino?

Para responder essa pergunta, primeiramente deve-se entrar numa discussão extremamente conhecida: O machismo nos dias de hoje.

É fato que bastante coisa tem sido feita para tentar apagar uma cultura machista de nossa sociedade, milhares de movimentos em prol da causa feminista tem sido feito. Todavia, como todas as outras questões que abrangem uma minoria, esse é um problema que ainda se estende e finge não estar ali.

Abusos em ônibus, assédio mascarado em boates, xingamentos que mencionam a mulher; ridicularizando seu corpo, sua virtude, sua dignidade. O machismo não parou de existir e é possível que ainda permanecerá um pouco mais, já que o senso comum de mulher não foge dos pensamentos da maioria.

Uma mulher não pode beijar muitos caras, porque senão será ''mal falada''. Uma mulher não pode usar shorts ou decote em V pois isso significa que ela está ''pedindo''. Uma mulher tem que seguir as regras estabelecidas para mulheres. Estabelecidas por quem?

Por que ser afeminado é ruim? Por que homens com características femininas são desrespeitados em nossa sociedade?

Não é necessário mais prolongamentos para demonstrar a finalidade desses questionamentos. Subentende-se que o preconceito contra homens gays têm uma relação significativa com o machismo da população. Homem deve ser homem, homem não pode ser mulher, porque mulheres são fracas, frágeis. ''Homem não chora''.

No entanto, passando por cima de diversos tipos de preconceito, as Drag Queens não trouxeram apenas influência na causa LGBT, mas também têm trazido para a causa feminista. Drag Queens exageram no lado feminino, com seus saltos altos que indicam poder, os cílios postiços enormes, a maquiagem exagerada, unhas feitas, cabelos produzidos e muitas vezes, sensualidade.

pabllo vittar.jpg Cantora Pabllo Vittar em ensaio fotográfico

Cada vez mais as Drag Queens vem conquistando seu lugar em meio à sociedade. À exemplo da cantora Pabllo Vittar, é óbvio que suas músicas grudam na cabeça de qualquer um, e além de ser uma verdadeira inspiração para a comunidade LGBT, também é o hino de muitas garotas mundo a fora.

Em suma, pode-se afirmar que de pouco a pouco os preconceitos vão desaparecendo e vão dando lugar a uma nova evolução de pensamento, à admiração e ao respeito às diversidades humanas. Igualdade nunca será uma utopia.


Charlote Claire

Caloura de Biologia, 17 anos, Gemini. Cantora de chuveiro desde os 6 anos, poeta entre os intervalos das aulas, Drama Queen. Componho músicas para musicais imaginários e preciso consertar o meu violoncelo! Nasci no século errado, sou completamente das antigas, ''old school'', que seja! Ah, e para finalizar, serei sempre, eternamente, uma Dancing Queen. .
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Charlote Claire