a dama célebre

Do Éden ao leito, as minhas loucuras

Charlote Claire

Caloura de Biologia, 17 anos, Gemini. Cantora de chuveiro desde os 6 anos, poeta entre os intervalos das aulas, Drama Queen. Componho músicas para musicais imaginários e preciso consertar o meu violoncelo! Nasci no século errado, sou completamente das antigas, ''old school'', que seja! Ah, e para finalizar, serei sempre, eternamente, uma Dancing Queen.

#DeleteIsrael: Um conflito eterno entre Israel e Palestina

Recentemente, na rede social Twitter, houve protestos que pediam suporte aos Palestinos e o fim do Estado de Israel. Apesar da pouca visibilidade, o impacto de tais ações é notório e clama por uma solução para essa guerra que continua em aberto desde o final do século XIX.


delete israel 7.jpg Foto: Antony McAulay/ Shutterstock.com

O último conflito notável com cobertura midiática entre israelenses e árabes da Palestina aconteceu em 2014. Tudo começou, segundo Israel, com o sequestro e assassinato de três jovens judeus na Cisjordânia pelo grupo radical ''Hamas'', logo depois um jovem palestino foi morto em Jerusalém por extremistas judeus. Entretanto, esse evento não foi o primeiro e nem o último desentendimento entre as duas nações.

Após diversos séculos de inúmeras diáspora, o povo judeu acabou espalhado pelos vários pontos do globo. No final do século XIX o povo judeu passou a expressar de maneira clara o desejo de voltar para a sua pátria, até então tomada pelos árabes palestinos sob domínio do Império Otomano. Com a queda dos otomanos, a região passou a ser um protetorado britânico de 1918 até 1939.

O imenso sofrimento que o povo semita passou durante a infame época nazista fez com que ao final da guerra, a causa judaica de constituir uma nação fosse apoiada pela ONU que sugeriu que a região fosse dividida entre judeus e árabes palestinos, a Palestina teria que doar 55% de seu território. A questão é que não era desejo dos árabes terem a presença de um povo distinto na área.

Quando finalmente os ingleses deixaram as terras, a situação piorou com o anúncio da formação do Estado de Israel pelos judeus. Em um suposto ''favor'' aos palestinos, Egito, Jordânia, Líbano, Síria e Iraque promoveram um ataque contra os israelenses em busca de terras, porém, ao final, palestinos perdem grande parte de seu território, incluindo a Faixa de Gaza que é conquistada pelos egípcios. Surge então a OLP, uma organização política e armada em prol da libertação da Palestina e a criação de um Estado livre em 1964. Enquanto isso, acontece a Guerra dos Seis dias a qual Israel sai vitorioso. Em 1973, o Egito foi o primeiro povo árabe a assinar um tratado de paz com Israel e ser retirado da famosa Liga Árabe.

Todavia, em 1982 Israel fez uma investida no Líbano com intuito de acabar com o terrorismo da OLP a partir de bases no país, o que deu início a Intifada (atos de violência contra judeus utilizando paus e pedras, além de atentados), mas em 1988, os palestinos resolveram aceitar o acordo de partilha da ONU.

Apesar dos palestinos terem aceitado a partilha, nada mudou, as duas nações continuaram a construir conflitos que se estendem até os dias de hoje. Ambos os povos querem Jerusalém por ser uma região importante religiosamente para ambas as culturas de maneira distinta, há também a Faixa de Gaza, de suma importância por ser uma área bastante cobiçada economicamente graças ao petróleo. Atualmente, Israel ocupa a maior parte do território que antes do século XIX pertencia à Palestina e os judeus continuam a massacrar e empurrar os remanescentes árabes palestinos contra um muro.

É fato que existem mais simpatizantes da causa judaica em detrimento a da palestina, isso se deve a variados fatores, um deles é que Israel têm o apoio dos Estados Unidos, ainda a grande potência mundial, e de outros países que estão interessados nas riquezas da região e preferem seguir o lado vencedor do conflito. Ademais, há também a religiosidade influenciando já que a área é conhecida como a ''Terra Prometida'' aos judeus pelo próprio ''Deus''.

Por outro lado nada disso será capaz de justificar tamanho ódio e violência, se um dia judeus foram torturados e aprisionados em cercas em meio a uma guerra sangrenta, hoje os novos judeus são palestinos que vivem em miséria e tentam de todas as formas buscar justiça para seu povo que com os gritos ao redor não consegue ser escutado.

No dia 21 de junho de 2017, vários jovens utilizaram a rede social Twitter para se reunir em um protesto contra Israel. As mensagens emanavam angústia e pediam a destruição do Estado de Israel com a hashtag #DeleteIsrael.

delete israel 1.png Print de uma mensagem-convite para o protesto

''Por muitos anos a Palestina tem sido ocupada por imigrantes sionistas. Milhares de palestinos retirados à força de seu país e mais de mil outros foram assassinados. Estamos fazendo uma campanha de suporte aos palestinos oprimidos e a favor do Estado Palestino. Junte-se à nós usando #DeleteIsrael. delete israel 2.png Mundo/Gaza ''#DeleteIsrael Criminosos sem vergonha apanhando os sorrisos dos rostos das crianças e o mundo está vendo sem sentir vergonha''

Thumbnail image for delete israel 6.png ''Mulçumanos #DeleteIsrael do Mapa Mundial. Nós estamos com os inocentes palestinos''

Thumbnail image for delete israel 5.png ''No dia mundial dos refugiados, estima-se que 66% dos palestinos viraram refugiados em 1948.''

Thumbnail image for delete israel 4.png ''Nossa liberdade é incompleta sem a liberdade da Palestina''. - ''Nelson Mandela''

Thumbnail image for Thumbnail image for delete israel 3.png ''A existência de Israel levará o mundo à destruição''/ ''Qual a diferença?''

Diferentemente do que ocorreu em 2014, esse evento não obteve cobertura alguma da mídia e a sociedade simplesmente parece ignorar os gritos de dor vindos do oriente. Não há desejo por parte das grandes potências de dar uma solução ao conflito, apesar das intervenções armadas que já aconteceram e que provavelmente acontecem escondidas dos olhos do cidadão comum, enquanto isso o tempo está contado para os palestinos que somem do mapa a cada ano.

Em suma, pode-se dizer que a guerra entre Israel e Palestina é um reflexo do quão egoísta e ambicioso o ser humano pode ser. Vale recordar que toda a humanidade é apenas uma, fronteiras servem somente para facilitar a administração do vasto território, mas, infelizmente o homem transforma um pedaço de terra que deveria ser um lar, em lucro e quanto mais melhor. A solução para encerrar o conflito está presente em cada um por meio de diplomacia e do prazer em compartilhar, da aceitação do outro apesar das diferenças. A xenofobia é o que separa o homem de outro homem quando os dois são exatamente a mesma carne. O egoísmo não combina com a natureza humana, pois ele individualiza o ser humano que é um ser dependente do outro. ''O homem é um ser social'', como dizia Aristóteles. Um lobo solitário, mesmo com suas garras e dentes afiados, não é nada e não sobrevive por muito tempo em meio a vastidão de perigos ao redor. O homem solitário pode ter dinheiro no bolso mas ele não será nada, não será ninguém sozinho.


Charlote Claire

Caloura de Biologia, 17 anos, Gemini. Cantora de chuveiro desde os 6 anos, poeta entre os intervalos das aulas, Drama Queen. Componho músicas para musicais imaginários e preciso consertar o meu violoncelo! Nasci no século errado, sou completamente das antigas, ''old school'', que seja! Ah, e para finalizar, serei sempre, eternamente, uma Dancing Queen. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Charlote Claire
Site Meter