a menina que mora em mim

Disléxica, skatista, ama ficção científica, inovação e tecnologia.

Melissa Fagundes

Gostou do texto? Se sim, recomende ou compartilhe, ajudando mais pessoas a encontrar esta história e me motivando nessa vida ingrata de escritora.

Algumas lições que aprendi com o skate

Faz um tempo que voltei a andar de skate. Já com 30 e poucos anos, comprei um skate e resolvi lembrar dos truques que aprendi no início da adolescência. Descobri que não sabia andar direito e tive que aprender de novo como subir em um. Mas eu aprendi mais do que isso.


3f2bf422427b9ba09bec7144625c5a31.jpg

Você perde o medo de errar. Você vai errar, cair e se machucar. Vai levantar e tentar se equilibrar de novo, caso contrário, não avança.

No início, você vai andar mal, se sente um idiota e pensa "não tenho mais idade pra isso". Se continua, esse pensamento passa e você progride.

Se você é mulher e decide se aventurar em um esporte com predominância masculina, as pessoas vão se espantar quando andar por ai.

Melhora sua confiança. Quando pega o jeito, você vai e não se importa com nada ao seu redor. É libertador.

Você tem contato novamente com sua infância, de alguma forma. Como adultos, cheios de responsabilidades, esquecemos de brincar e nos divertir. Nos tornamos duros. Andar de skate é só diversão.

Você se conecta com outros skatistas. Conhece pessoas que, assim como você, desenvolveu um amor pelo esporte e acaba criando amizades.

Você só se diverte. Não tenha receio. Se você quer se jogar no skate, mas tem medo ou algum tipo de ressalva, pensa no seguinte: você já se equilibra dentre um monte de coisa chata. Tente se equilibrar em um skate, sinta a brisa e vai.


Melissa Fagundes

Gostou do texto? Se sim, recomende ou compartilhe, ajudando mais pessoas a encontrar esta história e me motivando nessa vida ingrata de escritora. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Melissa Fagundes