add infinitum

para além para sempre

Ana Vargas

Viver é uma experiência bem confusa mas por vezes, bacana (palavra inapropriada mas não achei outra melhor) e escrever é só uma tentativa (vã mas necessária) de organizar 'tudo' no cérebro: é isso que, humildemente, tento fazer.

Aprenda com as árvores

Esqueça a autoajuda rasa que prega a alegria mansa, a ideia de que ser corajoso é sair atropelando tudo por aí ou certo tipo de visão positiva que ignora o mau caratismo alheio ou a ruindade gratuita que existe por mais que queiramos agir como a Pollyanna. Pois é, às vezes olhar para uma árvore linda, saudável e vigorosa pode fazer com que também nos sintamos bem por sermos quem somos. Basta pensar que a vida é, afinal de contas, uma atividade orgânica que deve ser simplesmente, realizada da melhor forma que pudermos e as árvores sabem fazer isso de forma bem eficiente.


Quer dizer que dia está ruim pelas razões de sempre? Problemas de relacionamento aqui e acolá, calor extremo ou frio de rachar justo no dia em que você ia vestir ‘aquele’ modelito ou muito mais grave: a morte inesperada de um amigo, uma doença que nos faz parar imediatamente ou uma mudança drástica que muda, à força, o caminho que havíamos traçado. Isso sem falar nos problemas globais, para além de nossas limitadas vidinhas: as crises econômicas, os variados dramas humanos dos nossos iguais, a política e suas formas execráveis...

Mas chega! Razões para o baixo astral não faltam mas, quando temos um probleminha cada vez mais corriqueiro chamado ‘baixa autoestima’ tudo isso nos atinge com a potência de um raio, porque somos naturalmente fracos e propensos a sofrermos por conta própria e a atrairmos (com nossas antenas tortas) tudo de ruim que emana de todos os lados.

Mas então, alguém cunhou o termo ‘autoajuda’ e tudo mudou, não foi? Milhares de livros foram e continuam sendo escritos para que as pessoas os leiam e se sintam, de repente, animadas, felizes e querendo dar o troco; mas como nunca acreditei nesse tipo de ‘literatura’ (mas respeito quem faz e quem lê, bem entendido) fiquei pensando – num dia ruim- o quanto me fez bem simplesmente olhar para a perfeição biologicamente nobre que é a árvore; estas criaturas que suportam tudo _ mau tempo, más pessoas que gostam de cortá-las, pássaros mau agradecidos que defecam nelas – e permanecem florescendo a cada estação e ainda refrescam o ar e ainda deixam qualquer rua ou praça suja com uma ‘cara’ renovada e encantadora. Como você vê as árvores nos dão uma aula de tolerância e generosidade e temos, sim, muito a aprender com as elas.

árvore2.jpg

Máquinas de silêncio e elegância

Eu sei: você deve estar pensando que sou meio doida: comparar árvores e humanos, essa coisa da autoestima no meio, mas veja: as árvores estão para muito – mas muito- além da necessidade ambiental e ecológica de suas presenças aqui na terra, elas ultrapassam isso com louvor. E, sobre a propagada necessidade de se ter autoestima (volto a ‘dizer’: eu não pirei e não acho, por exemplo, que abraça-las cria alguma conexão ecológico-humana que nos revigora instantaneamente, nada disso). Sugiro simplesmente que você, um dia desses, observe vagarosamente uma árvore: comece pelo tronco, detenha-se na casca geralmente grossa que o recobre e, depois, vá subindo e deixe-se maravilhar pela copa, aquela parte que se não estiver coberta de flores, terá ramos de folhas cheirosas e, se assim não for, ainda será digna de admiração porque uma árvore por mais sem graça que seja é uma ‘coisa’ fascinante. Árvores são criaturas fortes que, quando saudáveis (ou seja: quando livres de pragas que podem atingi-las de diversas maneiras) enfrentam qualquer problema com uma elegância admirável (sim: há muita elegância nelas). E de onde vem essa fleuma ‘arvorística”, penso que é assim: quanto mais saudável é uma árvore, mais tem seu caule fincado no mais profundo da terra, mais tem condições de recolher e distribuir o alimento que vem daí e que sustenta e a torna imune a pragas, às intempéries variadas e etc. (Uma árvore só não consegue se impor diante de machados, motosserras e outras decrepitudes da nossa raça mas isso é outra historia).

Árvores saudáveis têm troncos rígidos e folhas brilhantes; árvores saudáveis oferecem de bom grado, suas sombras refrescantes para quem quer que seja (elas não têm um pingo de preconceito! Veja como são superiores a alguns de nós até nisso); árvores saudáveis produzem frutos saborosos e caso não sejam colhidos, vão virar adubo para a própria terra que a alimenta e pronto. Não há nenhum drama inútil e todo o ciclo que existe ao redor de uma árvore é uma celebração da vida: mas é preciso ver de modo racional e quase existencial (sim!) para relacionar tudo isso ao que escrevi no começo desse texto: a relação entre uma árvore e uma pessoa com boa autoestima, uma pessoa segura e que se equilibra bem sendo quem é (seja lá o que for).

Pois é: se fôssemos tão nobres como as árvores seríamos mais racionais e menos dados a ilusões inúteis; se nos valorizássemos de verdade – apesar de nossas tantas limitações e fracassos _ se as raízes do que somos estivessem bem fincadas na terra não haveria espaço para (por exemplo) complexos de inferioridade, crises de pânico, fobias disso e daquilo, depressões e transtornos de todo tipo que parecem se atualizar conforma a tecnologia que temos à disposição avança.

Concluindo: pessoas fortes (e ternas) sabem que quanto mais se aceitam e mais se valorizam (e isso não tem nada a ver com outra praga: o complexo de superioridade, a arrogância travestida de determinação e arrojo) mais aceitam calma e racionalmente que, apesar de tudo, se a gente não se cuida (não mantém a máquina funcionando de forma eficiente) qualquer praga, por menor que seja (minúsculos cupins não derrubam paineiras gigantes?) vai em um momento ou outro, nos levar para o chão. O assunto é fascinante e apesar de parecer maluco ou bizarro, sugiro somente isso: pense em como as árvores mais longevas e belas, são aquelas que têm as raízes mais profundas e que ‘souberam’ extrair da terra o alimento e souberam usá-lo bem. Por isso: aprenda com as árvores, deixe-se encantar por estas maravilhosas criações naturais, por estas criaturas que, se são complexas por dentro (como nós com nossas cabeças tantas vezes confusas) são também de uma simplicidade que encanta porque estão lá (onde quer que seja) oferecendo suas sombras e flores e frutos, estão imobilizadas por suas raízes mas é justamente isso que as fortalece porque só assim, bem fincadas na terra, é que elas conseguem fazer com que suas folhas se elevem até o mais alto dos céus e lá de cima, qualquer mazela certamente parece minúscula, imperceptível até, eu diria.

Ah... como temos a aprender com as árvores...


Ana Vargas

Viver é uma experiência bem confusa mas por vezes, bacana (palavra inapropriada mas não achei outra melhor) e escrever é só uma tentativa (vã mas necessária) de organizar 'tudo' no cérebro: é isso que, humildemente, tento fazer..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Ana Vargas