alfredo passos.br

Cinema e Literatura

alfredo passos

Alfredo Passos, Prof.Dr. (professor universitário, autor de livros, blogueiro, adora livros, cinema, música e andar a cavalo). Mais sobre autor em http://about.me/alfredopassos

Os filmes influenciados por Jung

Segundo Nise da Silveira, “Jung era um homem alto, bem construído, robusto. Tinha um vivo sentimento da natureza. Amava todos os animais de sangue quente e sentia-se com eles ‘estreitamente afim’. Amava as escaladas das montanhas, porém preferia velejar sobre o lago de Zurique. Possuía seu barco próprio. Na mocidade passava às vezes vários dias velejando em companhia de amigos, que se revezavam no leme e na leitura em alta voz da Odisséia. Também velejava sozinho, atividade que manteve até uma idade bastante avançada.” (SILVEIRA, 1978: 16).


carl gustav jung.jpg

O médico psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, nasceu no dia 26 de julho de 1875, Kesswil, Turgóvia e faleceu no dia 6 de junho de 1961, aos 86 anos, em Küsnacht, Zurique. Entre suas ideias, estão como palavras-chave: inconsciente coletivo, individuação, arquétipos. Ficou conhecido por fundar a “Psicologia Analítica”.Sua Psicologia Analítica e Psicoterapia pertencem às terapias psicodinâmicas, que atribuem grande importância ao inconsciente.

Para a ideia do inconsciente pessoal, Jung acrescentou o conceito do inconsciente coletivo. Nisto reconheceu a impronta primitiva e os padrões básicos da vida humana que ele chamou de "arquétipos" e que são retratados, por exemplo, em mitos e contos de fadas. Estes padrões básicos dão origem ao desenvolvimento de complexos que refletem nossas experiências de relacionamento individual, bem como experiências pessoais e ancorá-los em nossas memórias.

A teoria dos complexos de Jung nos ajuda a entender o desenvolvimento da personalidade, conflitos de relacionamento e desajustes psicológicos e, nessa base, tratá-los psicoterapêuticamente. A psicoterapia junguiana promove o desenvolvimento dos próprios recursos e considera um problema psíquico como um desafio para um desenvolvimento pessoal real, um processo chamado Jung de "individuação".

No trabalho psicoterapêutico prático, a interpretação dos sonhos, a tipologia, os quadros, jogos e a imaginação ativa são muito importantes para a compreensão de processos psíquicos conscientes e inconscientes. O propósito e o objetivo de trabalhar com o inconsciente é entrar em contato com a alma e com as próprias possibilidades criativas individuais. Nesta base, a psicologia junguiana e a psicoterapia abordam questões de significado e de espiritualidade.

A orientação transcultural da obra de Jung possibilita um intercâmbio interdisciplinar mais rico, capaz de explorar respostas aos desafios de um mundo globalizado e de sociedades multiculturais. Este aspecto em particular torna a Psicologia Analítica cada vez mais relevante no contexto do mundo moderno.

Para melhor conhecer, um dos maiores pensadores do século XX, leia: JUNG, C. G. , “Memórias, sonhos , reflexões”, Ed. Nova Fronteira, RJ, 1963.

A psiquiatria sempre despertou o interesse dos cineastas. No caso de Jung, a pessoa e o profissional viveram um drama, propício para as artes. E o cinema imortalizou seu trabalho, sua obra e o ser humano, que foi, Carl Gustav Jung, em pelo menos filmes como esses abaixo.

AS TRÊS MÁSCARAS DE EVA (1957) 3 faces eva.jpg

Direção: Nunnally Johnson. Sofrendo com fortes dores de cabeça e desmaios frequentes, Eva White (Joanne Woodward) decide conversar com o psiquiatra Dr. Luther. Durante o tratamento, ela é hipnotizada, e logo revela duas outras personalidades: a de uma mulher impulsiva e cheia de vida, e a de uma garota submissa à própria mãe. O drama é baseado na história real de Christine Costner Sizemore, diagnosticada com transtorno de múltiplas personalidades.

Morangos Silvestres (1957) morangos silvestres.jpg Direção: Ingmar Bergman. Isak Borg (Victor Sjöström) é um professor de medicina que revisita vários momentos marcantes de seu passado durante uma viagem de carro até sua antiga universidade, onde ele irá receber uma honraria.

Acompanhado de sua nora Marianne (Ingrid Thulin) ele evoca memória de sua família e de sua ex-namorada. Durante a viagem ele conhece uma garota adolescente que em muito se assemelha a Sara, seu antigo amor. A jovem pega carona com o professor e Marianne. Quanto mais Borg recorda as decepções e desilusões que viveu, mais ele se sente frio e cheio de culpa. Esses sentimentos se afloram quando ele encontra seu filho, igualmente frio e ressentido.

Quando duas mulheres pecam (1966) quando duas mulheres pecam.jpg

Direção: Ingmar Bergman. Após um desempenho na peça "Electra", uma famosa atriz, Elisabeth Vogler (LIv Ullmann), pára de falar. Sua psiquiatra, Lakaren (Margaretha Krook), a deixa sob os cuidados de Alma (Bibi Andersson), uma dedicada enfermeira. Como já fazem três meses que Elisabet não profere uma palavra, Lakaren decide que ela deva ser mandada para uma isolada casa de praia, com Alma.

Na casa Alma fala pelas duas, pois Elisabet continua muda, comunicando-se apenas com pequenos gestos. Com o convívio Alma fica uma pouco enamorada pela atriz. Num dia conta para Elisabeth sobre uma excitante experiência sexual que teve numa praia, com desconhecidos, e a conseqüência desagradável disto. Pouco depois de fazer esta confidência ela lê uma carta que Elisabeth tinha escrito, onde fica chocada ao descobrir que a atriz pensa nela como um divertido objeto de estudo.

Cidade das Sombras (1998) cidade das sombras.jpg

Direção: Alex Proyas. Em uma cidade em que sempre noite, John Murdoch (Rufus Sewell) acorda sozinho em um hotel, para descobrir que perdeu sua memória e o principal suspeito de ser o autor de brutais e bizarros assassinatos. Ele passa então a ser implacavelmente perseguido por um inspetor (William Hurt), ao mesmo tempo em que conta com a ajuda do Dr. Pehreber (Kiefer Sutherland) para compreender o que está acontecendo.

Jornada da Alma (2003) jornada da alma.jpg Direção: Roberto Faenza. Em 1905 Sabina (Emilia Fox), uma jovem russa de 19 anos que sofre de histeria, recebe tratamento em um hospital psiquiátrico de Zurique, na Suíça. Seu médico, o jovem Carl Gustav Jung (Iain Glen), aproveita o caso para aplicar pela primeira vez as teorias do mestre Sigmund Freud.

A cura de Sabina vem acompanhada de um relacionamento amoroso com Jung. Após alguns anos ela volta à Rússia, tornando-se também psicanalista e montando a primeira creche que usa noções de psicanálise para crianças. Década após sua morte, ela tem sua trajetória resgatada por dois pesquisadores.

Um método perigoso (2011) um metodo perigoso.jpg Direção: David Cronenberg. O longa é uma mostra de como a relação entre Carl Jung (Michael Fassbender) e Sigmund Freud (Viggo Mortensen) faz nascer a psicanálise. Aborda a intensa e polêmica relação da dupla com a paciente Sabina Spielrein (Keira Knightley). O filme foi exibido em primeira mão no Festival de Veneza de 2011 e conquistou uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante para Mortensen.

Prometheus (2012) prometheus.jpg Direção: Ridley Scott. 2089. Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e Charlie Holloway (Logan Marshall-Green) são exploradores que encontram a mesma pintura em várias cavernas na Terra. Com base nisto, eles desenvolvem uma teoria em que a pintura aponta para um lugar específico do universo, que teria alguma relação com o início da vida no planeta. A dupla convence um milionário, Peter Weyland (Guy Pearce), a bancar uma cara expedição interestelar para investigar o assunto.

Desta forma, Elizabeth e Charlie entram para a tripulação da nave Prometheus, composta pelo robô David (Michael Fassbender), a diretora Meredith Vickers (Charlize Theron), o capitão Janek (Idris Elba), entre outros. Todos, com exceção de David, hibernam em sono criogênico até que a nave chegue ao objetivo, o que acontece em 2093. Encantados com a descoberta de um novo mundo e a possibilidade de revelarem o segredo da origem da vida na Terra, Elizabeth e Charlie não percebem que o local é também bastante perigoso.

Após assistir a estes filmes com mais atenção no trabalho desenvolvido por Jung, fica a reflexão, no que para ele foi sua vida.

“Minha vida é a história de um inconsciente que se realizou. Tudo o que nele repousa aspira a tornar-se acontecimento, e a personalidade, por seu lado, quer evoluir a partir de suas condições inconscientes e experimentar-se como totalidade”. JUNG


version 10/s/cinema// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //alfredo passos
Site Meter