amarse

A vida é mesmo uma coisa efêmera

Ana Karoline

Estudante de psicologia , aos 21 anos tive a minha primeira publicação em jornal. Apaixonada pelo comportamento humano e fascinada por neurociência. Sonhadora, desbravadora e as vezes exagerada. Ridiculamente bem humorada, e amante da vida e de pessoas resilientes.

Só aceita migalhas, quem não conhece o que é de verdade

Sujeitar-se, fechar as portas do sonhos, aceitar pequenas doses de afeto, e carinho, e contentar-se com isso, vivendo somente em prol do outro é esquecer de si mesma.


namoro-amor-relacionamento-0816-1400x800.png

Se precisar forçar, é porque não é seu, isso serve para anéis, sapatos e relacionamentos. Está em um relacionamento, é prioridade de muitas pessoas, ou por medo de ficar só, ou pôr as vezes não conseguir romper, com aquilo que não lhe preenche. Relacionar-se com alguém, é trazer para junto de si, um outro alguém que em conjunto, provocará uma soma, e se porventura, este alguém decidir ir, isso não significa portanto, que a outra vai tornar-se incompleta, não somos uma mera extensão do outro.

Quando nos encontramos com uma outra pessoa, e com ela construímos um relacionamento altruísta, onde ninguém precisa anular-se para dar espaço ao outro; percebemos, que relacionar- se é mais que depender de alguém, e que o fim de tudo é exatamente isso: dois seres que se completam, sem exatamente depender do outro para construir sua vida.

Sujeitar-se, fechar as portas do sonhos, aceitar pequenas doses de afeto, e carinho, e contentar-se com isso, vivendo somente em prol do outro é esquecer de si mesma. Quem vive num relacionamento, onde os dois vivem em sintonia mutua, e harmônica, encontra no outro, um suporte onde os dois completam –se até nos defeitos.

Saiba que mais é menos, se ao longo de um relacionamento, você só consegue visualizar mais pontos negativos do que positivos, é necessário sair um pouco de dentro do ciclo, para vê-lo do lado de fora, e questionar a si mesmo, se de fato ali é seu lugar.


Ana Karoline

Estudante de psicologia , aos 21 anos tive a minha primeira publicação em jornal. Apaixonada pelo comportamento humano e fascinada por neurociência. Sonhadora, desbravadora e as vezes exagerada. Ridiculamente bem humorada, e amante da vida e de pessoas resilientes. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Ana Karoline