aprecie sem moderação

Amor, livros, arte... Algumas coisas são melhores em grandes doses!

Carolina Borba

Leitora desde que eu me conheço por gente, meu universo são os livros, as histórias que vivo sem sair do quarto, os personagens com personalidade tão diferentes que eu experimento, as vidas que eu, a cada página, pego emprestado!
Também brinco no blog Culta Insensatez.

Somos pequeninos na terra dos gigantes

Somos 8 bilhões de pessoas comandadas por alguns líderes políticos, algumas multinacionais, todos lucrando e ganhando poder enquanto nos distraímos resolvendo problemas entre nós mesmos. As redes sociais nos aproximam e nos afastam de uma postura mais ativa contra os abusos. Solidariedade de internet não salva vidas.


334e8-shingeki-no-kyojin-2560065.jpg

Esse trecho da música de Humberto Gessinger traduz, critica e inquieta a minha alma e a minha mente: “...quanto vale a vida nessa terra de gigantes?”

Temos vivido um período de grande tecnologia e redes sociais que, ao mesmo tempo, nos dão a falsa impressão de maior proximidade com as pessoas, nos tornam seres alienados e acomodados atrás de uma tela, sentados em sofás confortáveis, questionando o mundo de um lugar seguro. Temos acesso às informações e compartilhamos notícias com todos sobre tudo o que acontece no mundo, a todo instante, mas o que mudamos? “Pois agora, lá fora, o mundo todo é uma ilha a milhas, e milhas, e milhas de qualquer lugar nessa terra de gigantes”. Tão próximos na rede, tão isolados nas ações, ficamos sozinhos.

Tivemos aquela tragédia em Mariana (MG), o ataque na França, milhares continuam morrendo na Síria, o descaso e a miséria continua espalhando suas vítimas, guerras, violência, injustiças percorrem todos os cantos do mundo. Nossa indignação fica nas telas! Somos bilhões de pequeninos numa terra comandada pelos gigantes da política, gigantes empresariais, poucos gigantes que sugam os recursos de toda nação (a humana), que vivem no acúmulo de riquezas que poderiam sustentar os pequeninos mais necessitados. Poucos de nós se levantam e lutam por uma causa que deveria interessar a todos. Os gigantes articulam, nos distraem, nos separam com suas fronteiras e ideias de que somos diferentes. Nos confundem com suas muitas promessas e poucas ações, e nós caímos achando que fazemos nossa parte manifestando, esporadicamente, uma ou outra opinião, deixando cair no esquecimento após alguns dias aquela triste realidade que não afeta as nossas casas.

Curtidas no facebook não salvam vidas e nem almas, infelizmente, compartilhar não basta para acabar com os abusos que colocam vidas inocentes em sacrifício. É preciso se levantar! As redes sociais - que tinham a função de nos unir - viraram uma forma de nos separar. Trocamos mensagens e diminuímos as conversas face to face, nos preocupamos com a vida que o outro exibe, nos solidarizamos à distância. E, ainda, nos preocupamos em nos atacar, em nos criticar ao demonstrar apoio a uma causa e não à outra, quando na realidade nenhuma postura que não saia daquela, demonstrada nas redes, vai mudar nada em lugar algum.

Vamos compartilhar as causa e desligar a internet, por alguns momentos. Vamos nos levantar contra os abusos e parar as guerras. Vamos juntar os pequeninos para derrubar os gigantes. Juntos, independente de nacionalidade, religião e qualquer outra coisa, seremos maiores. Quantos Davis teremos contra os Golias? Enquanto nos dividimos seremos fracos e fáceis demais para manipular!

14-12-2010_091.jpg

Alguns poucos não podem ditar o que atinge a maioria. Estamos tão acostumados às notícias ruins que nos chocamos até certo ponto apenas, perdemos a necessidade de exigir e lutar por mudanças. Assistimos a tudo robotizados, aguardando que o outro lute por mim, lute por quem precisa. Estamos distanciados, enviando boas vibrações através da internet. Depois, desligamos nossos aparelhos e entramos em estado de torpor, lamentando os acontecimentos, sem dar um passo contra eles fora do mundo virtual. E aqueles poucos que se arriscam perdem força por serem uma minoria perto daqueles que assistem imóveis. Podemos ser mais. Podemos ser a mudança no mundo real, para que no virtual possamos apenas nos divertir sem o excesso de informações negativas. O mundo estará em paz!


Carolina Borba

Leitora desde que eu me conheço por gente, meu universo são os livros, as histórias que vivo sem sair do quarto, os personagens com personalidade tão diferentes que eu experimento, as vidas que eu, a cada página, pego emprestado! Também brinco no blog Culta Insensatez..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Carolina Borba