arcano do aleph

“Alho e safiras na lama...” T.S. Eliot, Quatro quartetos, 1943

Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor.

PARA A MULHER DA MINHA VIDA

Um poema de amor talvez para você


mulher da minha vida.jpg

Se você for a mulher da minha vida

e estiver lendo essas palavras de paixão

saiba que é para você essa doce canção do coração.

Provavelmente já nos conhecemos.

Segundo uma pesquisa americana 75% dos casais

já se conheciam antes de se formarem.

Não é romântico como a chuva, meu amor?

Uma coisa é certa: estou louco para beijar sua boca,

fazer amor contigo e te fazer delirar.

Estou louco para adormecer abraçadinho a você...

(de conchinha) e sentir aquela sensação de aconchego.

Estou louco para fazer a experiência do amor verdadeiro,

recíproco e companheiro contigo,

ter um casamento bem-sucedido

(leia-se maduro, harmonioso e perpétuo)

e constituir uma família feliz fundamentada no amor,

na bondade e no respeito.

Estou louco para construir contigo nosso patrimônio conjugal

que não será apenas econômico,

mas igualmente importante: afetivo, intelectual e moral.

Estou louco para ler Drummond para você na cama.

Estou louco para vê-la andar em casa de pijama.

Estou louco para conversar com você e ouvir que me ama.

Estou louco para criar nossos filhos com carinho.

Não vejo a hora de te encontrar, te abraçar e vê-la sorrir.

Estou louco para lhe dizer olhando nos seus olhos:

“Eu te amo e quero te fazer feliz.”

Onde estará a mulher da minha vida?

P.S: espero que saiba fazer pudim de leite, querida.


Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// //Thiago Castilho