arcano do aleph

“Alho e safiras na lama...” T.S. Eliot, Quatro quartetos, 1943

Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor. E “tornar-me senhor de mim mesmo” é o meu grande objetivo em busca de uma vida que vale a pena ser vivida.

PEDRAS NA VESÍCULA

Quanto maior for seu desconforto no seu meio maior é a evidencia de que você não deveria estar ali no meio daquelas pessoas que muitas vezes não tem nada a ver com você exceto por elos circunstanciais, mas cuja essência é a antítese da sua e sempre será.


vesicula.jpeg Acima: exemplo de um ultrassom de pedra na vesícula

“Tempos difíceis me ensinaram a ver como a vida é infinitamente exuberante e bela.” Isak Dinesen, escritora dinamarquesa

Após vários dias suportando com estoicismo espartano dores abdominais intensas, inapetência, insônia, náusea e vômitos violentíssimos finalmente conclui que a auto-medicação continuaria sendo ineficaz e cedi a vontade da minha mãe de ir ao hospital. Na sexta-feira passada fui internado após me submeter a exames e ser constada uma alteração no meu fígado. Todos os sintomas apontavam para pedra na vesícula e após fazer um ultrassom total o diagnóstico se cumpriu. Fiquei internado por cinco dias para tratamento da infecção e recebi alta na terça. Na solidão noturna do hospital meu horizonte de reflexões se ampliaram, mas pensamentos perigosos me assombraram no leito: “Como pude perder tudo do nada?” “E se eu piorar e morrer? Eu ainda não escrevi um livro, não tive um filho nem sequer plantei uma árvore. Qual é o meu legado?” Não me perguntem que estresse emocional extremo deflagrou essa crise catártica. “Isso são coisas que acontecem o tempo todo.” Magnólia. Tem coisas que só valorizamos quando perdemos, a saúde é uma delas e sem saúde nada se faz. É preciso preservá-la sempre.

Grandes eventos traumáticos têm o seu poder de reflexão e de transformação. Durante minha internação eu fiquei na erudita e elegante companhia do filósofo francês Luc Ferry. Ao me ver lendo uma médica perguntou se eu gostava de auto-ajuda. Sorri como um deus que tudo perdoa e disse docemente “Não é auto-ajuda. É filosofia. Você gosta?” Ela respondeu: “Meu marido gosta. Ele é professor de filosofia.” Que coincidência, pensei. Imagino que ela tenha feito a pergunta devido ao título do livro: “O que é uma vida bem-sucedida?” Em sua mente o título deve ter se distorcido para “Como ter uma vida bem-sucedida.” Definitivamente Luc Ferry não diz isso, apenas deixa claro que uma vida bem-sucedida deve ser antes de tudo uma vida ética, vivida no presente e não no passado ou no futuro e em harmonia com a condição humana. A busca da sabedoria é um dos objetivos da vida bem-sucedida e a filosofia é um caminho. “A filosofia é o aprendizado da sabedoria.” Uma fórmula do livro me fascinou: inteligência = virtude = liberdade = felicidade. Pensei muito sobre isso.

Eu devo ser uma pessoa ética não porque o mundo é ético ou as outras pessoas, mas porque eu sou. Essa é a minha essência. Eu devo ser aquilo que admiro. No meu caso em particular: ético, justo e solidário num plano moral e inteligente, culto e sábio num plano intelectual. E assim elaborar um modelo ideal para cada plano existencial. Por exemplo, no plano afetivo: ser amoroso, fiel e companheiro. É claro que a construção desses paradigmas particulares tem um preço: o aumento crescente e irreversível da tolerância zero com o mal, o preconceito, o desrespeito, a mediocridade, o egoísmo, a exploração, o autoritarismo, a hipocrisia, a fofoca, numa palavra: com a falta de ética.

Quanto maior for seu desconforto no seu meio maior é a evidencia de que você não deveria está ali no meio daquelas pessoas que muitas vezes não tem nada a ver com você exceto por elos circunstanciais, mas cuja essência é a antítese da sua e sempre será.

Antes da alta o médico deixou bem claro para mim: “Você precisa marcar sua cirurgia o quanto antes. Enquanto as pedras estiverem na sua vesícula corre o risco de você ter outra crise.”. É preciso eliminar a causa da doença e não apenas combater os sintomas.


Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor. E “tornar-me senhor de mim mesmo” é o meu grande objetivo em busca de uma vida que vale a pena ser vivida..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Thiago Castilho
Site Meter