arcano do aleph

“Alho e safiras na lama...” T.S. Eliot, Quatro quartetos, 1943

Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor.

SE EU FOSSE VOCÊ, MULHER...

Se Trump vencer nos EUA só prova o que já sabemos: os EUA são a nação mais machista, preconceituosa e podre da Terra. Pior para eles e para nós. Mas se Hillary ganhar significa que a era de abusos absurdos não é mais tolerável por gente do bem.


trump-hillary.jpg

É profundamente melancólico que em pleno século XXI e vivendo e morrendo sob a égide de um Estado Democrático de Direito as mulheres continuem sendo vítimas de toda sorte de abusos, violências e desrespeitos que violam sua vontade, lesam seus direitos e reduzem significativamente sua dignidade humana por parte dos homens que deveriam amá-las, protegê-las e respeitá-las. O que podemos fazer para impedir isso?

Segundo a Constituição Federal, lei magna de nosso país: “Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.”. Memorize esse mantra.

Por isso, diga NÃO ao assédio moral. Proteja sua dignidade humana, sua integridade moral e sua liberdade individual. Jamais seja complacente com os abusadores! Não brinque com essas pessoas. Não se deixe infantilizar. Seja responsável por si mesma.

Leve a serio sua honra. Leve a sério sua integridade física e psíquica. Leve a sério seu bem-estar emocional. Leve a sério seu direito de escolha pessoal. Leve a sério sua vida.

Ser assediada não é ser cortejada. Ser abusada não é ser querida. Ser desrespeitada não é ser amada. Quem ama respeita, trata com igualdade e gentileza e não oprime ou força.

Quem a vê como um objeto, independente de ser homem ou mulher, é machista, medíocre e misógino. Se você permitir essas pessoas destruirão sua dignidade, drenarão sua auto-estima e a submeterão das maneiras mais tirânicas e degradantes possíveis.

Segundo Freud em seu diagnóstico sombrio do humano “o ser humano não é um ser manso, amável, somente capaz de se defender quando o atacam. É lícito atribuir a sua dotação pulsional uma boa cota de agressividade. Em conseqüência, o próximo não é somente um possível auxiliar e objeto sexual, mas também uma tentação para satisfazer sua agressão, explorar sua força de trabalho sem ressarci-lo, usá-lo sexualmente contra a sua vontade, dispor de seu patrimônio, humilhá-lo, lhe infligir dores, martirizá-lo e de matá-lo.” Ou seja, estamos longe do ideal de humanidade ética e solidária. Cuidado!

Não se deixe lesar, manipular ou reprimir. Exerça seu direito de ser livre, digna e feliz.

Talvez seja pela minha formação jurídica e pelos princípios de igualdade, liberdade e fraternidade que constituem meu caráter, mas para mim é inaceitável que existam no mundo vermes vis e violentos como Donald Trump. Segundo Leandro Karnal o preconceito contra a mulher é o mais antigo e sólido do mundo. Por que? Pelo mesmo motivo que alimenta todos os preconceitos: a vontade de perpetuação do poder do opressor sobre o oprimido. Os homens narcisistas têm medo das mulheres. Aqueles que não possuem uma bagagem intelectual e ética as vêem como ameaças e não parceiras.

Se Trump vencer nos EUA só prova o que já sabemos: os EUA são a nação mais machista, preconceituosa e podre da Terra. Pior para eles e para nós. Mas se Hillary ganhar significa que a era de abusos absurdos não é mais tolerável por gente do bem.


Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Thiago Castilho
Site Meter