arcano do aleph

“Alho e safiras na lama...” T.S. Eliot, Quatro quartetos, 1943

Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor.

MAMUSCA

Sobre minha história com minha maravilhosa mãe


FB_IMG_1557550199796.jpg "Mãe é o nome de Deus nos lábios e corações das crianças." William Makepeace Thackeray

Quando nasci (temo que já tenha contado essa história) no interior do Paraná em pleno junho sob um frio glacial de congelar célula por célula do corpo humano, um médico de lá me deu uma sentença de morte precoce. O “corvo branco” como Nelson Rodrigues sutilmente se referia aos médicos disse sem compaixão nenhuma para a minha mãe que se eu quisesse viver teria que fazer uma cirurgia urgente, mas que não sobreviveria sequer a anestesia. Minha mãe disse que Deus era maior e que se fosse para eu morrer seria em casa em seus braços, assinou o termo de responsabilidade e me levou embora. Conclusão: minha mãe cuidou de mim com amor infinito e me salvou da morte.

Por isso mesmo fiquei escandalizado quando uma noite dessas, por uma ocasião trágica que não vem ao caso, ela me confessou que um dia, quando eu ainda era bebê, adormeceu de exaustão e me deixou cair no chão. “Sério?” interroguei, chocado. Ela confirmou que sim. Fiquei sem palavras. Em suma, ninguém é perfeito. Mas o amor, o amor verdadeiro, sagrado e imortal é mais que perfeito. Eis o amor de mãe. Inigualável.

Screenshot_2019-04-16-21-38-04-1.png "Toda dor pode ser suportada se sobre ela puder ser contada uma história." Hannan Arendt

2016. Indubitavelmente, o ano mais difícil da minha vida. Na verdade, minha vida parecia a Batalha de Winterfell. Uma crise de estresse e desgosto se desdobrou num diagnóstico de pedra na vesícula. Foi uma “imersão no inferno”. Fui internado por duas vezes. Na segunda vez uma pedrinha insolente e traiçoeira migrou da vesícula para o pâncreas, causando uma terrível infecção. A coisa ficou grave. Confesso que pedi para sair. A dor era insuportável, irrespirável, inesquecível. Uma jovem médica que me atendia ficou alarmada e disse a minha mãe para ser forte. Médicos, sempre presumindo o pior cenário para mim. (Tolos, eu sou o Jon Snow.). Há quase cem anos Drummond disse que "no meio do caminho tinha uma pedra.". No meu caso subjetivo foi um pouquinho mais do que isso. A título de informação pouco tempo depois do epsódio supra narrado fiz uma cirurgia para a extração da pedreira. Foram retiradas na cirurgia realizada no hospital Márcio Cunha (tremam) 70 pedras da minha vesícula, uma delas do tamanho do imenso asteroide que caiu na Península de Yucatán, no México, originando a extinção dos dinossauros no Planeta Terra. Sem exagero. Eu posso provar. Guardei todas por fetiche pétreo. Enfim, com minha mãe marsupial do meu lado, como sempre, sobrevivi. Como dizia o Zá Galo “Vocês vão ter que me engolir.”.

2017. Finalmente decidi entrar para a Ordem e me tornar um advogado. Na cerimônia da entrega da carteira vermelha ela se emocionou. Seus olhos brilhavam úmidos quando chamaram meu nome no microfone: “O senhor Doutor Thiago Castilho...”. Foi épico.

20190510_152711-1.jpg Acima: minha mesa ou estação de trabalho. "Eu comecei sozinho. Se você não tem uma oportunidade você precisa criar a sua oportunidade." Aury Lopes Júnior, um dos maiores e mais brilhantes advogados do país

Em suma, nos piores e nos melhores momentos da minha vida minha mãe sempre esteve comigo, ao meu lado, inabalável. Ela me conhece melhor do que ninguém; conhece meus valores, meus projetos e meu coração. E espero (lá vem a indireta) que respeite minhas escolhas afetivas. Afinal, minha mãe me criou para ser um homem livre, compassivo, corajoso e responsável. E deseja acima de tudo a minha felicidade como eu desejo a dela. E assim como uma maçã não cai muito longe da macieira, nossa felicidade verdadeira jamais poderá estar muito longe de nosso coração. (Eu não mereço ser feliz?). Aprenda com Jesus: perdoar é preciso, mamusca. Por fim, nada pode impedir duas pessoas que se amam de ficarem juntas. Assim, como temos personalidades e visões de mundo distintas devemos nos respeitar reciprocamente para vivermos em paz. Eu não quero muito de tudo: trabalhar duro como advogado, vencer na vida e constituir minha sagrada família. Espero que quando chegar a hora apoie a minha decisão. Ou pelo menos a respeite. Antes tarde do que nunca.

Enfim, acabei escrevendo uma crônica quando tudo que eu queria dizer era: FELIZ DIA DAS MÃES, MAMÃE. Você é a mãe mais linda do mundo. Para mim vocé é suprema, única e infungível (insubstituível). Obrigado por tudo. Eu tenho muita sorte de ser seu filho. Em breve celebraremos juntos a abertura do meu escritório de advocacia. Será uma nova fase em nossas vidas. A “fase sublime” como dizia Machado de Assis. Será a realização de um sonho que mudará nossas vidas para sempre, tornando-a mais livre, mais digna e mais justa. Numa palavra: emancipada. Que Deus te proteja e abençoe por toda a sua vida e que nunca lhe falte força, amor e felicidade. Não se preocupe, eu nunca vou te "jogar e esquecer num asilo". Eu te amo profundamente. Sempre te amarei.

Eternamente teu, seu filho primogênito,

Thiago Castilho

Screenshot_2019-05-06-22-16-47-1.png "Com quem será, com quem será que o Dr. Thiago vai casar?" A coisa mais importante que um jurista aprende em sua carreira jurídica se resume em quatro palavras: "No Direito tudo depende.". Portanto, faça sua parte. Livre-se de tudo que possa sabotar seu sonho.

PARA SEMPRE

Por que Deus permite

Que as mães vão-se embora?

Mãe não tem limite

É tempo sem hora

Luz que não apaga

Quando sopra o vento

E chuva desaba

Veludo escondido

Na pele enrugada

Água pura, ar puro

Puro pensamento

Morrer acontece

Com o que é breve e passa

Sem deixar vestígio

Mãe, na sua graça

É eternidade

Por que Deus se lembra

- Mistério profundo -

De tirá-la um dia?

Fosse eu rei do mundo

Baixava uma lei:

Mãe não morre nunca

Mãe ficará sempre

Junto de seu filho

E ele, velho embora

Será pequenino

Feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade


Thiago Castilho

Advogado e escritor, um homem de leis e letras. Acredito que a arte pode “ensinar a viver”. Ensinar a viver significa ensinar a lutar pelos seus direitos e a amar melhor a si e a toda humanidade. Adquirir o conhecimento e transformá-lo em sabedoria de vida no palimpsesto do pensamento. Eis meu ideal intelectual que busca realizar a experiência do autoconhecimento, não sei até se do absoluto e talvez do Sublime aplacando assim minha angústia existencial, sem soteriologia, porque ao contrário de Heidegger não acho que somos seres-para-a-morte, mas seres-para-a-vida e seres-para-o-amor..
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Thiago Castilho