O Codigo Da Vinci - críticas


por [email protected]

"O Código Da Vinci", do norte-americano Dan Brown, é um "best-seller" mundial. Muitos o comparam ao fenómeno Harry Potter. Em todos os países em que tem sido publicado transforma-se num sucesso, entra nos tops de vendas e não pára de vender. Esta semana foi publicado em Portugal, pela editora Bertrand. Tal como aconteceu noutros lugares, a promoção começou antes. Nas livrarias Bertrand estavam colocados calendários com uma contagem decrescente até ao dia em que o livro chegaria às livrarias na quinta-feira (faltam 3 dias, faltam 2, falta 1...) Os jornalistas ligados à área dos livros receberam a obra um mês antes de ela ser publicada (isto é algo que não costuma acontecer, muitas vezes os livros são colocados primeiro à venda nas livrarias e só depois é que são enviados para as redacções dos jornais. Não acontece só com uma editora, é um mal que ataca várias). Por isso me é possível estar a escrever esta crónica no dia em que o livro foi posto à venda, tendo-o já lido.

O dossier de imprensa que os jornalistas receberam era completíssimo, até incluía um DVD com uma gravação do programa "Jesus, Mary and Da Vinci", um ABC News Special dedicado ao livro e aos temas que ele aborda.

O que vos posso dizer sobre o livro é que dividiu leitores. Há quem o ame e quem o deteste. É polémico pelas teses que defende. A mim deu-me bastante prazer ler. Faço parte daqueles a quem a interrupção da sua leitura era penosa, embora o fim me tenha desiludido. É na minha opinião um livro que cumpre as funções a que se destinou (entre as quais ser um livro de leitura rápida): entreter, fazer com que os leitores decifrem enigmas e ultrapassem etapas (como num jogo de vídeo ou numa caça ao tesouro), colocar algumas dúvidas e ensinar algo de novo. No final da leitura quis saber mais sobre as teses defendidas e sobre as personagens que ali aparecem.

É aqui que entra outra das dimensões do "marketing" de lançamento deste livro: as páginas dedicadas ao "Da Vinci Code" na Internet.

1) O escritor Dan Brown tem uma página oficial com entrevistas (agora já não fala com a imprensa porque lhe fazem sempre as mesmas perguntas), com informações sobre a sua obra anterior (o simbologista Robert Langdon já havia aparecido num livro anterior de Brown, o "Angels and Demons").

A ideia para o "Código Da Vinci" surgiu ao autor quando ele estudava História de Arte na Universidade de Sevilha, em Espanha. Mais tarde, quando foi fazer investigação para o "Angels & Demons" nos Arquivos Secretos do Vaticano, voltou a encontrar referências ao enigma de Da Vinci (não vamos aqui explicar de que se trata, porque a leitura do livro perderia piada). São pormenores deste género que podemos ficar a conhecer no seu "site".

2) Depois há outro pormenor curioso. No início do seu livro Dan Brown agradece a várias pessoas, cientistas, investigadores, professores e também a um tal Francis McInerney, que agora está no 11º lugar dos Top Reviewers da Amazon.com, mas que já esteve nos 10 primeiros (foi Top Ten Reviewer). Para quem não sabe, na Amazon.com existe um top de "os melhores críticos" eleitos entre os vários leitores que enviam as suas opiniões para a livraria virtual. McInerney elogiou um dos livros anteriores de Dan Brown, para este estabelece um paralelo com as bonecas russas. Quando fez a crítica do "Angels...", deu-lhe cinco estrelas e mais tarde recebeu uma nota de agradecimento de Brown e um exemplar assinado. Nunca se chegaram a conhecer, mas Dan Brown já disse que "he's a maniacal reader" e mandou-lhe as provas do "Da Vinci Code". Dias depois McInerney enviou-lhe este "e-mail": "É o seu melhor livro até agora." E fez algumas correcções factuais.

3) Também terá ajudado ao sucesso o jogo "The Web-Quest Challenge", as fotografias, os factos bizarros, as críticas da Opus Dei, os "sites" dedicados a explicar o que é realidade e o que é ficção.

Seja como for, a realidade é esta: "The Da Vinci Code" foi publicado nos EUA em final de Março de 2003, aguentou-se um ano em primeiro lugar, agora está em segundo e vai haver um filme.

Site Oficial: http://www.danbrown.com/novels/davinci_code/reviews.html http://www.danbrown.com/media/articles/newyorker.htm


obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// //obvious magazine