Voar...


Roubar ao tempo as asas de voar Tão baixo e rente que voar não chegue Ao vão voar das asas quase cegas Onde voar é sempre um quebrar de asas?

Ou afundar-se mais e mais que água Das nuvens altas, entre nada e nada?

José Augusto Seabra


version 1/s/artes e ideias// //seven