Boiam leves, desatentos...


Bóiam leves, desatentos, Meus pensamentos de magoa, Como, no sono dos ventos, As algas, cabelos lentos Do corpo morto das aguas.

Bóiam como folhas mortas A tona de aguas paradas. São coisas vestindo nadas, Pós remoinhando nas portas Das casas abandonadas.

Sono de ser, sem remedio, Vestígio do que nao foi, Leve magoa, breve tédio, Não sei se para, se flui; Não sei se existe ou se dói.

Fernando Pessoa (4-8-1930)


obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/artes e ideias// //obvious magazine