Os filmes da minha vida - Le Fabuleux destin d Amélie Poulain



2005062900 B000069Jdb.02.Lzzzzzzz

Cheio de beleza e com uma banda sonora verdadeiramente marcante. "Voltaire disse um dia que a delicadeza é para o espírito aquilo que a graça é para o rosto. E Voltaire não teve a felicidade de conhecer Amélie Poulain. Amélie, esta, tem um sorriso garoto, meio malandro, como se a cada momento se preparasse para pregar uma partida a alguém. E tem uns olhos grandes, enormes, do tamanho das fantasias que lhe perpassam constantemente pelo cérebro.

No princípio: Amélie teve uma infância infeliz. Vítima de uma enfermidade que afinal não tinha mas que lhe fora diagnosticada, a pobre vive uma meninice arredada do convívio com as outras crianças, perde a mãe e perde o pai. Uma porque morreu e o outro porque não quer a vida. Jean-Pierre Jeunet, começa o filme muito ao jeito de «Magnólia», assentando a génese da narrativa num processo resultante do efeito dos acasos que se conjugam formando estranhas coincidências.

Depois: uma infância infeliz não tem necessariamente que originar um adulto amargurado. E Jeunet inicia neste pressuposto uma áurea de teórico positivismo sobre a vida e seus personagens que não mais abandonará até final.

E também, falando-se de Voltaire, chame-se agora a este comentário Wilde; este afirmou, grosso modo, que o egoísta não é o que vive como quer mas o que exige que os outros vivam como ele quer. Certo. Mas afirmou depois que o altruísta é o que deixa os outros viverem sem interferir nas suas vidas. Nada mais errado, prova-o Amélie Poulain.

«Le Fabuleux Destin d'Amélie Poulain» (que bem que soa este título em francês) é um filme longe do tradicional rumo do cinema. Longe do habitual realismo tão obscuro quanto pessimista, este filme do cinema francês evoca um certo imaginário infantil aqui transportado para a nostalgia de que são formadas as memórias dos adultos. Um filme onde se cruzam histórias de uns, os da ficção, que se fundem nas de outros, os da realidade. Um filme que é um tributo à cor, à alegria, imensamente rico nas variadas personagens que o percorrem. Personagens de ficção copiadas da realidade que vivem as suas vidas de forma quase resignada, incapazes da ambição da verdadeira felicidade. É Amélie quem se intromete nessas vidas e lhes procura, por vezes com tão pouco, dar um novo sentido. E, embrenhada em tarefas altruístas, nem se apercebe que ela mesma receia dar esse passo na sua vida, que ela mesmo tem medo de ser feliz.

E é assim que decorre este filme, num clima impregnado de fantasia e brilho. Um filme que é tecnicamente excelente, recheado de efeitos especiais que permitem um estado de espírito estranho pela suave tranquilidade que a sua visão transmite. Diria ainda que é um filme baseado em bons princípios, em pequenas coisas de que às vezes julgamos poder prescindir no dia-a-dia mas que poderão revelar-se essenciais ao equilíbrio emocional de cada um.

Enfim, foi deste modo que vi «O Fabuloso Destino de Amélie Poulain» e o recomendo vivamente. Às vezes sabe muito bem ver um filme assim."

Comptine d'Un Autre Été - Original soundtrack - Yann Tiersen

La Dispute - Original soundtrack - Yann Tiersen

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x3
 
Site Meter