Os filmes da minha vida - Amadeus


 Cinema Milos Forman Wolfgang Amadeus Mozart Musica

A propósito dos 250 anos do nascimento de Mozart, e como já foi aflorado pelo seven, é com alguma nostalgia que recordo um dos filmes da minha vida.

Amadeus é um filme maravilhosamente triste. Amadeus é sobre frustrações. A frustração de não ser tudo aquilo que se deseja. A frustração de saber que há alguém infinitamente melhor precisamente naquilo que mais admiramos e tentamos alcançar. É sobre a frustração de ver um legado esquecido à medida que a velhice se aproxima.

Milos Forman dá-nos uma obra que é na verdade um triângulo composto por Mozart, Salieri e o divino. Mozart, possui uma capacidade divina de criar a harmonia, que de tão bela e concordante, rivaliza com a própria voz de Deus. No entanto é leviano e não possui a devoção que tal dom merece.

A personagem de Salieri foi a minha preferida. Absolutamente paradoxal e fascinante. Músico menor, julga-se negligenciado por Deus a favor de Mozart, pois possui o dom do verdadeiro amor pela música, sem no entanto possuir a capacidade para realizá-la. Tem a capacidade de reconhecer o génio de Mozart, mas Deus negou-lhe tudo o resto.

Amadeus mostra-nos os extremos sentimentais que podemos experimentar. Fascínio e repulsa, amor e ódio, sentimentos que, no fundo, se complementam.

Para mim, há duas cenas lindíssimas e verdadeiramente arrebatadoras, que expressam a sensibilidade que rodeia o filme.

No momento em que lê as partituras que lhe foram levadas pela mulher de Mozart, Salieri chora, tal a harmonia e brilhantismo da composição.

Já no seu leito de morte, Mozart dita as notas, o compasso e a letra do Requiem para um incrédulo Salieri. Este percebe o quão incapaz é de acompanhar tal génio. Não consegue sequer compreender o que lhe é dito, mas ao invés de odiar, fica maravilhado com o talento de Mozart. Só então se dá conta da verdadeira extensão do dom que Deus concedeu a Mozart. É uma cena maravilhosamente orquestrada por Forman, associada a duas estupendas actuações. A cena resume, em si, todo o filme e a ambivalência das personagens.

Amadeus é uma obra de arte realmente à altura do homem que a inspirou.


obvious magazine

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 6/s/cinema// @obvious, @obvioushp //obvious magazine