Perfeição divina #2


 Codigo Barras Besta 666

Ainda a propósito das teorias pitagóricas e sua influência mística - caso da numerologia - não resisto a falar aqui de uma famosa teoria que tem feito correr muita tinta. Trata-se da do número 666, também conhecido como o número da Besta. De acordo com a Bíblia o 6 é o número simbólico da Imperfeição da Humanidade: o ser humano tem 6 partes - 2 braços, 2 pernas, 1 corpo e 1 cabeça... Em contrapartida o 7 (sou eu, eheh...) simboliza a perfeição - 7 dias da Criação, 7 dias da semana, 7 as virtudes, 7 os sacramentos, 7 os dons do Espírito Santo, 7 o número de vezes que se deve louvar o Senhor, etc., etc. O 6 não chega a atingir a perfeição: é incompleto e por isso é imperfeito.

E agora a grande coincidência: 666 é um número poligonal, mais precisamente o número triangular de 36 pois é representado geometricamente por um triângulo equilátero com 36 unidades de lado, começando por uma na primeira, duas na segunda, três na terceira, continuando esta progressão até à 36ª fila. Assim, o Anticristo será triplamente imperfeito na sua dimensão religiosa, pessoal e social, simbolizando deste modo a fraqueza do Homem. Terá a forma de um animal híbrido com sete cabeças e dez chifres...

060829_666.jpg 060829_besta.jpg

Para terminar e dedicado aos supersticiosos ou apenas aos curiosos por estas coincidências refira-se que, ainda de acordo com a Bíblia, 8 é o número que transcende a perfeição. A Gematria é uma disciplina que atribui um número a uma letra do alfabeto, sendo os mais comuns o grego e o hebraico. Ora segundo os cabalistas e numerologistas as letras que formam o nome de Jesus somam 888, o que significará a superação da plenitude!

Nota: Pessoalmente penso que as teorias surgem para justificar um dado facto ou acaso e não o contrário: as coincidências existem à priori e não provam teoria nenhuma. Há quem não pense assim... De qualquer modo ou esta teoria está muito bem feita ou a coincidência é extraordinária! ;)


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //seven