Desenhar uma árvore



Arte Desenho Arvores

Um velho amigo meu da província, um certo Leonardo, nascido numa aldeia ao pé de Florença - Vinci (código postal 50059) - era um homem muito curioso. Passava horas a observar as plantas e depois desenhava-as. Tirava notas de tudo o que ia compreendendo da maneira como as plantas se ramificam e de outras coisas do género. (...) Este Leonardo sabia muitas coisas, não só sobre as plantas não só sobre as plantas mas sobre tudo o que o rodeava. Ou melhor, até inventava coisas que não lhe estavam próximas, como, por exemplo, o helicóptero, sabia como desviar um rio, como funcionavam os órgãos do corpo humano e também sabia pintar - um quadro seu, pequeno mas famoso, está num grande museu de Paris.

Bruno Munari

Parece fácil desenhar uma árvore, não é? Todos já o fizemos alguma vez, de certeza, embora o resultado final estivesse longe de poder ser considerado uma obra de arte... Na verdade não é nada fácil. Conta-se que o primeiro exercício que o pintor António Quadros costumava dar aos seus alunos era precisamente desenhar uma árvore. Não o fazia por acaso. Sabia que todo o raciocínio plástico, capacidade de observação, síntese e destreza manual se revelavam naquele exercício aparentemente tão simples. Meia dúzia de riscos apenas. Na forma de uma árvore está o casamento perfeito entre simplicidade e complexidade.

O que de tão extraordinário descobriu o amigo Leonardo? Apenas isto: a regra de crescimento comum a todas as árvores que constitui a essencia da sua forma. Cada ramo é sempre mais fino do que o ramo que o precede e, começando no tronco, a árvore pode ramificar-se de várias maneiras, dividindo-se em dois, três ou mais ramos. Depois a espécie, o sítio, a temperatura, o vento, etc. fazem o resto mas a estrutura é sempre a mesma. Este foi o esquema que fez com a divisão em apenas dois ramos:

 Arte Desenho Arvores

Imaginemos agora a variação do vento:

 Arte Desenho Arvores

O mesmo esquema pode variar no comprimento dos vários estratos: o tronco comprido, os segundos ramos curtos; o tronco comprido e todos os ramos curtos; o tronco curto e os ramos compridos, etc.

 Arte Desenho Arvores

Se em vez de utilizarmos linhas rectas desenharmos curvas a estrutura continua a manter-se. As variações são infinitas. Parece tudo tão simples mas primeiro foi preciso olhar com olhos de ver...

 Arte Desenho Arvores

 Arte Desenho Arvores

Na arte oriental uma particular atenção é dada ao desenho do mundo vegetal. A sua imensa variedade é respeitada e sintetizada em traços simples e condensados de extraordinária elegância. É preciso imensa prática e persistência para dominar esta habilidade e tudo começa por compreender o objecto que se desenha. O treino inicia-se com o desenho de um simples bambu. Toda a sua estrutura e formas devem ser perfeitamente compreendidas nas suas múltiplas variantes. O mesmo se passará com a cerejeira Sakura, com a ameixoeira ou o pinheiro. Foi justamente o que fez esse tal Leonardo porque sabia ser aquele método a essência do desenho e da arte. Desenhar uma árvore é uma arte.

 Arte Desenho Arvores Estampa Japao  Arte Desenho Arvores Estampa Japao

 Arte Desenho Arvores Estampa Japao  Arte Desenho Arvores Estampa Japao

 Arte Desenho Arvores Estampa Japao  Arte Desenho Arvores Estampa Japao

 Arte Desenho Arvores Estampa Japao  Arte Desenho Arvores Estampa Japao

seven

Co-fundador e ex-colaborador do obvious, actualmente retirado, foi responsável durante bastante tempo pela definição da linha editorial. Concebeu e coordenou a transição do blog para o formato de magazine.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x23
 
Site Meter