Galeria de vinhetas


 Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas

A Banda Desenhada é por vezes irónica. Lê-se ávida e rapidamente, o que obriga a que se lance um olhar meramente fugaz aos desenhos que levaram horas ao seu autor a executar. Isto é tanto mais verdade quanto melhor é a história. Mas há sempre uma segunda volta, pelo menos, onde o nosso olhar se demora e aprecia mais em profundidade os desenhos, os diálogos, os pormenores subtis da narrativa, etc. Alguns livros tornam-se com tempo em obras de culto a que voltamos vezes sem conta e sem cansaço, descobrindo sempre coisas novas.

Sempre admirei Edgar Pierre Jacobs, autor da série Blake e Mortimer. É um dos casos que acima referi. As suas histórias cativam-nos do princípio ao fim tal é a consistência do argumento e fluidez da narrativa e os seus desenhos sóbrios escondem uma qualidade gráfica excepcional. Influenciou bastante Hergé com quem colaborou desde 1944. Na verdade o estilo depurado, rigoroso e minucioso que fez a reputação do autor de Tintin ficou a dever bastante à intervenção de Jacobs - veja-se a evolução da cor e dos cenários a partir d'As 7 bolas de cristal.

Uma das suas histórias de culto foi A marca amarela. Toda a acção se desenvolve em Londres que Jacobs retrata de modo exemplar sem nunca sequer ter lá estado! Cada vinheta é uma composição magnífica, particularmente as da perseguição nas docas debaixo de cerrado nevoeiro. Notável.

 Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas

 Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas

 Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas  Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas

 Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas  Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas  Bd Blake Mortimer Jacobs Vinhetas

Mais vinhetas na Galeria


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/bd / hq// @obvious, @obvioushp //seven