Ornette Coleman - free jazz


070722_blog.uncovering.org_ornette-coleman.jpg

De Ornette Coleman já se disse de tudo um pouco: que não sabia tocar; que desafinava; que o som do seu saxofone de plástico era estridente; o próprio Miles Davis o desconsiderava, dizendo que estava chalupa. Mas também houve elogios - que criou um novo conceito de harmonia e de composição; que foi um inovador e um visionário. Foi tudo isso e muito mais, controverso desde que gravou The Shape of Jazz to Come e Free Jazz, em 1959 e 1960, respectivamente, dando origem às modernas correntes, como o avant-garde jazz.

Coleman não gostava da expressão free porque, argumentava, havia bastante composição e preparação nos seus temas, ao contrário do que podia parecer. Porém, é um facto que levou a improvisação às últimas consequências, ao ponto de não se perceber a existência de uma malha harmónica de suporte. As suas composições típicas começavam com um breve trecho melódico seguido de uma improvisação bastante longa de todos os músicos e finalizava com a reexposição do tema - semelhante ao bebop mas sem a estrutura harmónica.

Blues connotation (excerto) - Chick Corea / Bobby McFerrin


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/música// @obvious, @obvioushp //seven