Viagens #5: são amigos, senhor


 Viagens Tajana Marrocos Homens Sociedade Costumes Banho Mulheres

Convém avisar os ingleses: aqui é normal os homens, quando são amigos, andarem na rua de mão dada, ou mesmo abraçados. Quem não souber pode achar, à primeira vista, que é um pais estranhamente tolerante à manifestação pública de ternura homossexual. Não: são homens de barba rija - e, geralmente, de bigode. Ou rapazes a tender para o modernaço, proto-ocidentalizados, de gel no cabelo e calças de ganga meio rasgadas. Há de tudo um pouco. Já vi, inclusivamente, um trio, a andar na rua, as três mãos dadas, todas juntas, como se fizessem um juramento.

O que vou contar a seguir passou-se num táxi, no vale. Havia o motorista, um rapaz de 20 e poucos anos, e ao lado um outro rapaz novo. E ia eu no banco de trás, sozinha. O táxi parou para recolher mais um passageiro, que, em vez de vir cá para trás, entrou para a frente, preferindo partilhar o lugar do morto. Passou o braço por trás dos ombros do rapaz que já lá estava, e foram conversando. Depois fez-lhe festinhas na cabeça. E depois - vi eu com estes olhos que a terra há-de comer - deu beliscões no pescoço do motorista. Finalmente, cansado de ter o braço estendido para trás, passou-o para a frente do corpo, pegou na mão do rapaz com quem ia sentado e foram assim, de mão dada pousada nas pernas, até ao fim da viagem. Aposto que iam a falar de gajas. Creio, no entanto, que ainda não vi nada tão bonito quanto isto: em Tabant, um policia a andar na rua de mão dada com um taxista. É que nem nas revistas das testemunhas de Jeová.

 Viagens Tajana Marrocos Homens Sociedade Costumes Banho Mulheres

 Viagens Tajana Marrocos Homens Sociedade Costumes Banho Mulheres

Do lado das mulheres, um fenómeno difícil de perceber é o do banho. O habitual (para homens e mulheres) é tomar um grande banho semanal, num hammam, uma divisão cujo ar é aquecido através do chão (geralmente há uma cavidade por baixo do hammam onde se acende uma fogueira). Atenção a este detalhe: não entrem descalços num hammam, que não faz bem nenhum às solas dos pés. Falo por experiência. Toda a divisão do banho fica, assim, aquecida - uma espécie de banho turco. Enchem-se grandes baldes de agua à temperatura desejada (nos banhos públicos há várias salas com várias temperaturas de ambiente e de água), sentamo-nos nuns banquinhos de plástico, sacamos da luva e do sabonete e tratamos da higiene. Nós e mais vinte. Na casa da família onde passei algum tempo vieram um dia dizer-me: "A Fátima pergunta se não queres entrar para o banho com ela". Hmm, pensei eu. Uma rapariga a convidar-me para tomar banho. A coisa não me pareceu muito normal. Por pudor e não sei mais o quê, declinei o convite, dizendo que tinha tomado banho nessa manhã (e era verdade e tudo).

Depois fiquei a pensar numa vez que tinha ido a um hammam em Marraquexe e tinha reparado que as mulheres não se lavavam apenas, mas conversavam e conversavam e conversavam umas com as outras, enquanto se esfregavam ou simplesmente descansavam. O banho é uma actividade social, como ir ao café (onde aliás só vão os homens). Semanas mais tarde, uma mulher marroquina que acabara de se instalar numa casa no vale contava-me que uma vizinha que lá aparecera lhe tinha dito que, quando fosse tomar banho, a chamasse. Parece que é mesmo normal e não devo recear convites. Dias depois disso, na mesma casa de família onde estivera primeiro, voltaram a convidar-me: "Queres vir tomar banho com as raparigas?" Voltei a recusar, mas depois fiquei a pensar se não começariam a desconfiar de que eu era um homem. À terceira, lá terá de ser.


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp, eros //tajana