hapiness is a warm gun: aux armes citoyens...


 Felicidade Politica Economia Rendimento Dinheiro Ciencia

O progresso científico abriu um novo campo de conhecimento: o da felicidade. A possibilidade de visualizar os "centros cerebrais da felicidade" e o constatar das suas alterações quando alguém diz sentir-se feliz, abriu novos rumos a este novo instrumento de análise da raça humana, e transformou a medição da felicidade em algo muito mais credível. Tornada mensurável, apesar de não existir consenso quanto aos critérios dessa medição, a felicidade passou rapidamente a ser também um objectivo político.

A regra de ouro da Economia tem sido, ao longo dos séculos, a que postula que o bem-estar aumenta em função do rendimento. E é por este motivo que estados e pessoas se afadigam: o vil metal dá-lhes capacidade de escolha e dimensão de liberdade. Mas um conjunto crescente de reflexões e estudos publicados em revistas credíveis, como o Journal of Happiness Studies, mostra aquilo que já todos nós sabíamos: a riqueza por si só não nos traz necessariamente bem-estar e é só umas das muitas variáveis a ter em conta na equação da felicidade.

 Felicidade Politica Economia Rendimento Dinheiro Ciencia

Os políticos, que não perdem uma boa oportunidade para se colocarem na primeira linha deste tipo de corridas, andam loucos para perceber então o enigma da felicidade: o que mexe realmente o ponteiro quando se trata de fazer as pessoas felizes e como poderão proporcionar-lhes esse subjectivo e complexo estado de bem-estar.

Países tão aparentemente discrepantes como a Austrália, a China, o Butão, a Tailândia e o Reino Unido estão a produzir "Índices de Felicidade" a ser utilizados a par do PIB como fontes de referência e guias para o progresso das suas sociedades. Economistas especializados em felicidade estão a ser colocados em cargos chave, como é o caso de David Blanchflower, recém nomeado assessor do Monetary Policy Committee do Bank of England, e os encontros entre líderes de nações, empresas e instituições do topo da economia mundial para debaterem medidas do progresso humano que não o PIB, sucedem-se a bom ritmo.

 Felicidade Politica Economia Rendimento Dinheiro Ciencia

A comunidade científica há um tempo que, a este respeito, já se movimenta: Richard Easterlin publicou os resultados das suas investigações e concluiu que, apesar dos ricos serem tradicionalmente mais felizes do que os pobres, o aumento da felicidade devido ao aumento dos rendimentos não é proporcional ao aumento de felicidade assim que se ultrapassa a linha do limiar da pobreza. O sociólogo Ruut Veenhoven, da Erasmus University, afirma que "a felicidade é bem mais complexa do que aquilo que se supunha", e na World Database of Happiness, que fundou, publica um relatório que hierarquiza o Coeficiente de Felicidade em 95 países e a tendência média da felicidade nas nações, com base em critérios que passam pela relação entre a felicidade e as condições da sociedade em que se vive.

Claudia Senik, professora de Economia da Sorbonne, estabeleceu num dos seus trabalhos uma relação directa entre a esperança de melhor qualidade de vida e a felicidade das pessoas, considerando que o PIB não é um indicador tão erróneo de bem-estar como alguns dos seus colegas querem fazer crer.

A Economia da Felicidade ganha cada vez mais adeptos e defensores inesperados: conservadores britânicos, burocratas chineses, militares tailandeses ou membros da casa real do Butão, inebriados com a facilidade com que se pode manipular os resultados da pesquisa sobre a felicidade de modo a servir objectivos políticos que, no mínimo, estarão longe de serem modelos de seriedade, desmultiplicam-se em iniciativas mais ou menos estruturadas, aparentemente para proporcionarem mais satisfação aos seus cidadãos.

O Governo Britânico criou recentemente um Whitehall Well-Being Working Group (W3G) para criar medidores de felicidade e avaliar as formas como os seus ministros podem dar mais satisfação às pessoas. Surayud Chulanont da Tailândia prometeu, na sequência do golpe de estado do ano passado em que tomou o poder, tornar os tailandeses não apenas mais ricos mas também mais felizes, intervindo no âmbito do Plano Quinquenal em áreas como a saúde, a educação, a família e o trabalho e alegadamente transformando essas intervenções positivas em "medidas de felicidade". A China segue-lhe as pisadas e, no âmbito da intenção de criar "uma sociedade mais harmoniosa", promete apresentar até ao fim deste ano um Índice de Felicidade como referência para futuras alterações ao modelo de sociedade chinês.

 Felicidade Politica Economia Rendimento Dinheiro Ciencia

Político é batido na arte da artimanha e não dá ponto sem nó, e o objectivo desta gesta quase se adivinha qual seja. Mas se toda esta demanda pela qualidade de vida e pelas formas e meios de a proporcionar servir, de alguma forma, para consciencializar o cidadão e expandir os seus horizontes na busca do bem estar colectivo como meio de atingir o bem estar individual, então que venha por bem. Se, pelo contrário, vier favorecer o hedonismo desbragado que a cada dia que passa deixa marcas mais profundas no nosso quotidiano e na nossa demanda de uma sociedade mais justa, então para pior mesmo já basta assim!

Cabe-nos a nós, actores em causa e contracena própria, contar espingardas e torcer o nosso destino antes que o destino nos torça a nós. Pelo nosso destino vale a pena clamarmos, alto e bom som, sem que receio algum nos impeça de tomar mais esta Bastilha: aux armes citoyens...!


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //jr