As cidades, obviamente



 Cidades Urbanismo Textos Literatura Memoria Imagem Homem Sociedade Arte Imagem de Metropolis, de Fritz Lang - 1927

Hoje falarei de cidades. Não de urbanismo, que é coisa de arquitectos e engenheiros, mas das cidades dos homens. Falarei da aventura das cidades, que começou há milhares de anos algures entre a mente visionária e a mão que segura o tijolo, qual delas a mais importante, qual a mais justa. É a aventura de uma raça de engenho cujos indivíduos escolheram viver em comunidade, impondo à Natureza a sua natureza e construindo o seu próprio ambiente artificial. Arte: as cidades são a arte derradeira do género humano.

 Cidades Urbanismo Textos Literatura Memoria Imagem Homem Sociedade Arte

Houve um tempo, durante muito tempo, em que se pensou que era um privilégio viver numa cidade, numa grande cidade. A civilização era, por definição, coisa urbana. O progresso era bom e só podia ser encontrado nas cidades. As cidades eram tecnologia. Hoje já não é bem assim e o sonho urbano resvalou não poucas vezes em pesadelo. Confusos, viramo-nos agora esperançosamente para a Natureza e descobrimos que afinal fazemos parte dela. Achamos então que as cidades são uma coisa má.

Mas não precisa de ser assim.

Vasculhando na nossa memória, as cidades trazem-nos boas recordações: das "Cidades Invisíveis" de Italo Calvino à "Metrópolis" de Fritz Lang, do "Spleen de Paris" de Baudelaire às visões utópicas de Sant'Elia, da lendária Persépolis ao "Frio Equador" de Enki Bilal, de Heliópolis, seja ela qual for, à obscura Urbicande... Fatalmente a nossa memória, passada e futura, parece condenada a ser uma memória urbana.

Todos devemos produzir memória e hoje queremos fazê-lo aqui. Cinco pessoas escrevem sobre cidades, reais ou imaginárias, mas vivas dentro de si. Porque uma cidade tem vida e é esta que a define. Nova Iorque, Hammershoi, Lisboa, Fava ou Rio de Janeiro são cidades vividas dia a dia, passo a passo, cada qual à sua maneira. A partir de amanhã começaremos a contar-vos diariamente as suas histórias, aqui no obvious. Um dia, quiçá, faremos um livro.

E quando a espécie humana acabar, consumida pela sua própria voragem, e as ruínas e vestígios arquitectónicos forem a pouco e pouco sendo reclamados pela Natureza, aço enferrujado, madeira bolorenta e betão pulverizado, a memória perdurará gravada num disco de ouro a bordo de uma nave espacial em direcção ao infinito. Lá estarão as palavras, os sons e as fantásticas construções de uns estranhos seres que se recusaram a viver sozinhos no meio da Natureza.

Não percam...

seven

Co-fundador e ex-colaborador do obvious, actualmente retirado, foi responsável durante bastante tempo pela definição da linha editorial. Concebeu e coordenou a transição do blog para o formato de magazine.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v4/s
 
Site Meter