Base de submarinos russa


 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

Construída pelo governo Stalinista na década de 50, esta base de submarinos russa era super secreta. Localizada no Mar Negro, na localidade de Balaklava, península ucraniana da Criméia, a fantástica instalação militar é digna de filmes de ação. Seu acesso só era possível por um canal submerso, protegido por portas e placas de titânio com inacreditáveis seis metros de espessura e que deveriam garantir a sobrevivência da base mesmo no caso de um ataque nuclear de 100 megatoneladas. Depois do colapso da antiga União Soviética, a falta de manutenção e verbas fez com que ela fosse desativada e abandonada em 1995. Em 2005 a empresa de arquitetura britânica Wintersgill, iria ser a responsável por transformar o impressionante complexo militar em museu, mas por motivos políticos, a base de submarinos, que está aberta à visitação, ainda não virou efetivamente uma atração turística de verdade.

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS

 Balaklava Base Guerra Nuclear Russa Sovietica Submarinos URSS


andré montejorge

é publicitário, tem dois filhos e ama cozinhar. Edita o Bem Legaus além de colaborar com alguns blogs de várias nacionalidades. Pretende virar chef de cozinha e quem sabe manter um blog sobre culinária.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/tecnologia// @obvious, @obvioushp //andré montejorge