"The lovers" ou "Os amantes borboleta"


 Amantes Amor Borboleta China Cinema Filmes Hark Lovers Paixao Tsui

O filme “The Lovers” do realizador de Hong Kong Tsui Hark (1994) conta a história de dois adolescentes que se apaixonam num colégio interno na China. Os “amantes borboleta” é uma história popular considerada como o Romeu e Julieta chinês, uma lenda que existe em várias versões, isto é, o seu enredo já foi usado em ópera, concertos e filmes e é uma narrativa poderosa que passa de romance ligeiro a melodrama fantástico. Os primeiros escritos sobre o tema dos “amantes borboleta” remontam, na China, ao século IX.

A versão cinematográfica de Tsui Hark conta como uma rapariga desajeitada e pouco graciosa é enviada pela mãe para um colégio de rapazes. Aí, Chuk Ying-Toi (Charlie Young) mascara-se de homem e conhece Leung Shan-Pak (Nicky Wu) de quem se torna amiga. A amizade entre os dois depressa se transforma numa paixão. Paixão proibida pois trata-se de uma relação aparentemente entre dois homens e Leung Shan-Pak não sabe que Chuk Ying-Toi é uma mulher. Os dois amantes acabam por consumar a sua relação mas a diferença de classes sociais separa-os e torna o seu desejo proibido. A impossibilidade de união pelo casamento, uma proibição da família de Chuk Ying-Toi que obriga os amantes a renunciar ao seu amor, faz com que ambos, numa encenação sobrenatural, morram para se transformarem em borboletas, as quais só têm 24 horas de vida. A terra engole Chuk Ying-Toi que assim se junta ao amante morto.

 Amantes Amor Borboleta China Cinema Filmes Hark Lovers Paixao Tsui

Um tema recorrente da ópera chinesa e já retratado em versões anteriores da história, a androginia, é no filme de Tsui Hark reintroduzida através da inserção de uma mulher no papel de Chuk Ying-Toi. Para o realizador de Hong Kong, nascido no Vietname, as discussões que debatiam o lado homossexual da lenda são ultrapassadas pela ideia do travesti, onde a actriz se mascara para brincar com a noção de género. Este filme acaba por ser um tratado feminista onde o realizador está mais preocupado em afirmar “uma mulher moderna", com envolvimento político, desembaraçada dos complexos da jovem rapariga de pele branca e mãos doces. Tsui Hark parece menos fascinado/seduzido pela ambiguidade sexual do que pela mulher emancipada, o que no contexto de uma ficção feudal como “The Lovers” passa logicamente por uma história de travestis. À interpretação gay da história dos “amantes borboleta” Tsui Hark prefere uma aproximação sociológica que insiste na condição social inferior de Shan-Pak e acima de tudo na opressão sexista imposta a Ying-Toi, uma jovem mulher demasiado avançada para o seu tempo” (Léonard Haddad, brochura que acompanha o lançamento francês do filme em DVD, 2006).

Na China tradicional a mulher, por via da filosofia de Confúcio, era considerada um ser inferior ao homem e vivia para o servir. A mãe de Chuk Ying-Toi também tinha tido o privilégio de usufruir de uma educação masculina e por isso envia a filha para o mesmo colégio onde estudou e onde também se apaixonou. Ao contrário da filha, que parece não querer renunciar ao seu amor, a mãe, também vítima de uma paixão, adaptou-se às imposições sociais e contraiu um matrimónio indesejado. Se no início o filme começa como uma brincadeira de adolescentes no final é um pesadelo trágico de proporções épicas. Uma lenda maravilhosa filmada por um dos maiores ícones da realização da escola de Hong Kong.

 Amantes Amor Borboleta China Cinema Filmes Hark Lovers Paixao Tsui


patricia Gouveia

é uma personagem do jogo Mouseland. Dedica-se a viajar no ciberespaço e em realidades alternativas reais que misturem realidade e ficção numa constante exploração e experimentação lúdica.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //patricia Gouveia