OBVIOUS dá 40% desconto na Amazon

George Orwell - 1984

A publicidade e a higiene íntima feminina #1



 Feminina Higiene Higienico Menstruacao Menstrual Mulheres Penso Periodo

Ao longo dos séculos, as mulheres em suas diferentes culturas se utilizaram dos mais diversos métodos para contenção fluxos menstruais; esponjas, lã, tiras de roupas usadas e até mesmo certos tipos de grama. No Antigo Egito, os tampões já existiam, feitos de papiro processados para ficarem macios. Foi no ano de 1888 que os absorventes femininos começaram a ser vendidos, eram aqueles em formato de almofada, adaptações dos que as enfermeiras norte-americanas preparavam para elas próprias usarem, feitos de gaze e outros materiais hospitalares a que tinham vasto acesso.

Num momento da história ocidental em que a higiene se tornara uma obsessão, o sucesso foi estrondoso entre as mulheres burguesas. E, justamente, as primeiras propagandas veiculadas para o produto, em 1921, pela Kotex, destacavam que os absorventes descartáveis eram muito mais limpos e assépticos, além de confortáveis. Depois que o preço dos absorventes se tornou mais acessível e, desse modo, seu uso mais democrático, as propagandas tinham como foco quebrar a timidez das moças: havia tanta vergonha de se comprar um absorvente que muitas preferiam continuar usando as velhas tiras de pano mesmo que detestassem.

Os cartazes da Kotex mais pareciam tratados explicativos, buscavam de todo modo convencer as consumidoras das vantagens do produto descartável sobre o reutilizável e, principalmente, juravam que milhares de mulheres já eram felizes usuárias. Um outro argumento poderoso nesses cartazes, era a promessa da diminuição do mau odor no período menstrual.

O absorvente interno, ou tampão, já era usado na França desde essa época, mas sua patente foi registrada por um americano, o Dr. Earle Haas em 1931, e comercializado logo depois pela Tampax, já com aplicador e corda, em 1936. Nesse momento, os gráficos dos cartazes e a qualidade do papel estava bem mais desenvolvida permitindo aos propagandistas melhor expor as imagens, estas cada vez mais vivas. As marcas de absorvente interno passaram a investir no que seria, até hoje, seu maior chamariz: eram ideais para moças ativas e garantiam plena liberdade de movimento.

Nos anos 50, os folhetos informativos voltaram com força total. Todas as marcas ofereciam livretos gratuitos que falavam sobre o ciclo menstrual, a anatomia feminina, mitos sobre a menstruação e expunham algumas dicas e cuidados que nenhuma mulher tinha coragem de perguntar. As propagandas desse período mostram mulheres fabulosas, ricamente vestidas, na velha associação de um produto com a prosperidade que dele pode vir. Nas capitais brasileiras, a difusão da marca Modess seria tão forte que o nome viraria sinônimo do objeto como Coca é sinônimo de refrigerante. Por aqui, a solução para atender aos chamados da mídia e driblar a timidez foram os famosos papeizinhos; as mulheres chegavam ao bancão e não diziam nada para o vendedor que devia ser discreto na leitura e atendimento do pedido. O Modess entraria para a antologia da propaganda nesse país com a frase: incomodada estava a sua avó.

 Feminina Higiene Higienico Menstruacao Menstrual Mulheres Penso Periodo

 Feminina Higiene Higienico Menstruacao Menstrual Mulheres Penso Periodo

 Feminina Higiene Higienico Menstruacao Menstrual Mulheres Penso Periodo

Leia a segunda parte deste artigo: a publicidade e a higiene íntima feminina #2

priscilla santos

é adoradora de cervejas e colabora com a obvious.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x3
 
Site Meter