Regina Spektor, 2004: quimioterapias e limousines


Regina Spektor sovietica judeu piano

Regina Spektor nasceu no seio de uma família judaica durante a última década do regime soviético e, por conta disso, sua carreira de musicista sofreu alguns reveses; o piano em que treinara durante toda a infância teve de ser deixado para trás durante a Perestroika - a abertura econômica da União Soviética que permitiu a emigração dos cidadãos. Ela tinha apenas nove anos quando se estabeleceu com a família no bairro do Bronx, em Nova Iorque. Foi no porão da sinagoga local que encontrou um antigo piano e retomou seus estudos já influenciados pelo rock, pelo hip-hop e pelo punk.

Na adolescência, Spektor já era uma das alunas veteranas da Escola de Música de Manhattan e via suas atenções musicais divididas entre a formação clássica e os sons contemporâneos ao redor. Por conta disso, cedo acabara por juntar intuitivamente as duas influências em suas composições. Mas, até então, sua música eram apenas esboços, uma distração e complemento da escola; Regina Spektor só cogitou levá-las à sério durante uma viagem à Israel, quando outros jovens lhe disseram o quanto haviam sido tocados pelas composições; refletiu. Aos dezessete anos começou a transpor seus escritos contundentes para arranjos em voz e piano.

Talvez uma tendência à precocidade somada às experiências incomuns que vivera com tão pouca idade expliquem um pouco para que as letras compostas por Regina Spektor tenham um peso tanto incoincidente com seus 28 anos. Uma delas, em especial, costuma chamar a atenção por deixar muito claro todo impressionante nível de maturidade poética, humana e mesmo linguística de Regina Spektor. Chemo Limo, de seu segundo álbum "Sovietic Kitsch" (2004) - nome retirado do livro A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera - trás como mote central a história de uma mulher, mãe de quatro filhos, que descobre ter câncer e precisa se submeter a sessões de quimioterapia. Uma mulher especial, de reflexões pragmáticas em relação a vida que agora, pela doença, percebe o mundo através de novas sensibilidades. Sente medo, raiva e saudade ao sabor de delírios. Sente que as coisas que possui podem ser apossadas de uma nova forma: ela é rica para poder alugar uma limousine, mas anseia pilotar uma que leve outros para passear; ela está a beira da morte, mas a quimioterapia - aparentemente inútil - lhe tiraria o estilo da passagem.

Há em "Chimo-Limo" tantas metáforas, pistas, des-pistas, sarcasmos e imagens que ao total da narrativa psicológica da letra, faz surgir sobre ela diversos palpites sobre quais seriam os fatos reais sobre a vida daquela mulher. Tudo piorado pela dicção dúbia de certas frases já que ela se utiliza de cacófatos para dar versões diferentes da história. Também, por vezes, o que está sendo cantado não é o que consta no CD-book. A intriga é embalada por um arranjo que une um monotom lento ao experimentalismo improvável numa interpretação passional de Regina Spektor que nos deixa só em arrepios.

Aqui, uma das versões (traduzida e aberta para discussões) para a música que você pode acompanhar no áudio retirado do Youtube mais logo abaixo. O que você acha que realmente aconteceu na história dessa mulher?

Eu tive um sonho fresco, fresco Benjamin Franklin apareceu e ficou de babá dos meus quatro filhos Então no meu sonho eu falei com o médico Ele disse "se você não quiser fazer isso, então precisa fazer" Ele disse "a verdade é que você vai ficar bem de qualquer modo" Então no meu sonho fresco, fresco Benjamin Franklin e o médico foram lá e tiveram uma conversa com meu chefe Alguma coisa sobre seguros de vida Eles mantiveram a porta fechada todo o tempo e eu não podia ouvir ou ver Então eles apareceram e disseram "Você vai ficar bem de qualquer modo" E eu sorri porque já sabia daquilo fazia tempo Não obrigada, não obrigada, não obrigada, não obrigada eu não tenho de pagar por essa merda Eu não sustentaria uma quimio como sustentaria uma limo E num dia em que me for dado, eu hei de pilotar numa limousine Não obrigada, não obrigada, não obrigada, não obrigada Não estou a beira da morte pra isso Eu não sustentaria uma quimio como sustentaria uma limo E, aliás, essa merda está me deixando cansada está me deixando cansada, está me deixando cansada, está me deixando cansada Você sabe, eu pretendo cair fora algum dia E eu vou sair no estilo sair no estilo Essa merda está me deixando cansada está me deixando cansada está me deixando cansada Mas eu quero sair no estilo Quando eu acordei meus filhos estavam quietos Eu soube de cara que tinha sido um sonho Eu liguei pra companhia de limousines Então eu me vesti Do mesmo modo, vesti as crianças A limousine estacionou e nós entramos O médico, ele perguntou para onde queríamos ir Eu disse: "Senhor, vá simplesmente para oeste", e ele ouviu obedientemente Sophie só queria ouvir a rádio BBC Michael sentou no meu colo e sussurrou para mim tudo sobre os malvados Jacqueline está se tornando uma grande garota com seu copo de chá, olhando pela janela e Barbara ela é bem parecida com a minha mãe Oh meu Deus, Barbara, ela se parece tanto com a minha mãe Não obrigada, não obrigada, não obrigada, não obrigada eu não tenho de pagar por essa merda Eu não sustentaria uma quimio como sustentaria uma limo E num dia em que me for dado, eu hei de pilotar numa limousine Não obrigada, não obrigada, não obrigada, não obrigada Não estou a beira da morte pra isso Eu não sustentaria uma quimio como sustentaria uma limo E, aliás, essa merda está me deixando cansada está me deixando cansada, está me deixando cansada Você sabe, eu pretendo cair fora algum dia E eu vou sair no estilo sair no estilo Essa merda está me deixando cansada está me deixando cansada está me deixando cansada Mas eu quero sair no estilo Sair no estilo Estilo. Estilo. Estilo? Estilo. Estilo? Estilo. Estilo? Estilo. Eu tive um sonho fresco, fresco Benjamin Franklin apareceu e ficou de babá de todos meus quatro filhos Eu tive um sonho fresco, fresco Benjamin Franklin apareceu e ficou de babá de todos meus quatro filhos Sophie só queria ouvir a rádio BBC Michael sentou no meu colo e sussurrou para mim tudo sobre os malvados Jacqueline estava se tornando uma grande garota com seu copo de chá, olhando pela janela e Barbara ela é bem parecida com a minha mãe Oh meu Deus, Barbara, ela se parece tanto com a minha mãe Oh meu deus, Barbara, ela parece tanto com a minha mãe


Priscilla santos

é adoradora de cervejas e colabora com a obvious.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/música// @obvious, @obvioushp //Priscilla santos