Silvia Machete: música, circo e despudor


musica mpb popular brasileira brasil Silvia Machete

Em 2007, quando foi ao ultrapopularesco programa da Hebe Camargo lançar seu album de estréia, arrancou da apresentadora o seguinte comentário: ela assobia e chupa cana. Desde então, nenhuma frase pôde definir melhor o trabalho dessa carioca que sobe aos palcos e canta, assobia, toca violão, rebola o bambolê, fuma um baseado e toma um drink.

As raízes de Silvia Machete estão no circo; desde cedo dedicou-se aos ofícios de trapezista e malabarista e rodou por mais de 30 países mostrando o que sabia fazer num picadeiro, e não era pouco. Faz sete anos que a artista resolveu dar uma parada nas piruetas para se envolver em uma coisa diferente, que era a música e, para isso, resolveu ir morar no East Village, bairro boémio Nova Iorquino. O endereço continua sendo aquele lá até hoje.

Explorando a sonoridade malemolente do Samba e da Bossa Nova, somados à uma pegada no rock e no bolero, Silvia Machete é considerada uma das mais felizes revelações da MPB atual embora apenas lembrando as outras divas dessa geração como Nina Becker, Céu e Roberta Sá: ela prefere uma subversão, uma perversão e os delírios performáticos.

Misturando seu talento circense, a voz hipnótica, a bela falta de pudor e os ares de atriz, Silvia se torna uma artista muitíssimo original, não se parece com ninguém e impede qualquer tipo de classificação como há tempos não se via.

No acompanhamento do seu talento, estão os músicos da Orquestra Imperial Rodrigo Bartolo (baixo), Rubinho Jacobina (piano), Nelson Jacobina (guitarra), Stephane San Juan (percussão) e Domenico Lancellotti (bateria), mais o trompetista Thiago Charbomez; juntos, recriam um fino ambiente que traz à luz da bossa eletrônica clássicos de Cely Campello, Erasmo Carlos, Cindy Lauper e Gun'n Roses. Também compõe; é dela a arrependida canção “Toda bêbada canta”.

Lembrando que Silvia Machete ainda está no primeiro disco. No “Bomb of Love – música safada para corações românticos” é que pode ser encontrada a canção “Pé”, já virado em clássico pela performance da moça que, exibindo um arranjo em forma de pombo nos cabelos, gira um bambolê por todo corpo enquanto aperta e fuma um baseado (de orégano). O vídeo é tão imperdível como a música dessa nova dama da MPB


Priscilla santos

é adoradora de cervejas e colabora com a obvious.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/música// @obvious, @obvioushp //Priscilla santos