Urinóis públicos: uma arte em vias de extinção


 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

O artigo de hoje aborda um assunto da nossa esfera íntima: o acto de urinar. Paradoxalmente, irei abordá-lo sob uma perspectiva masculina, uma vez que o objecto de que pretendo falar é justamente o urinol público, uma coisa de homens. Este equipamento começou a surgir em França, segundo parece, no século XIX. Com o tempo, o seu uso estendeu-se às cidades europeias e, posteriormente, ao continente americano. Durante muito tempo foi uma espécie de símbolo urbano de civilização e da supremacia masculina de uma sociedade sexista - um símbolo mal cheiroso! Após a Segunda Guerra Mundial a evolução do estatuto social da mulher e também as novas exigências de higiene acabaram por ditar o fim do urinol público. Esta é a história do seu nascimento, vida e morte e, curiosamente, do seu recente renascimento.

O urinol público surgiu em França em resultado do hábito dos franceses de urinar contra a primeira parede que estivesse a jeito sempre que lhes dava vontade. Pensa-se que não tinham qualquer problema em fazê-lo, mesmo em locais frequentados. O nome original, pissoir, deriva precisamente da palavra francesa que designa o acto de urinar: pisser.

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi Diversos tipos de urinóis públicos em Paris, França

As autoridades municipais resolveram criar locais nas cidades onde os cavalheiros pudessem esvaziar comodamente a bexiga. Não se sabe se o objectivo era a higiene pública ou o pudor da sociedade da época, uma vez que muitos deles não passavam de uma parede com um painel à frente. Havia pissoirs individuais e de vários lugares. Em França tornou-se comum este tipo de urinol com tapa-vistas à altura das partes púbicas (e púdicas), executados em ferro fundido com requintes artísticos, atrás do qual se viam os pés e a cabeça dos homens que estavam a urinar, bem como a urina que caía ao chão e salpicava. Não era um espectáculo lá muito agradável, diga-se. Disgusting. Em Amesterdão ainda se conservam em uso várias unidades deste tipo de urinol.

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi Urinóis públicos ao longo do canal central de Amesterdão, Holanda

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi Urinol público em Rudkøbing, na Dinamarca

Por esse motivo outros países, ao importarem este equipamento, lhe introduziram melhoramentos. Os ingleses, tradicionalmente mais púdicos, converteram o tradicional pissoir francês num espaço fechado, uma cabina, protegendo mais a privacidade que tanto lhes é cara. Mantiveram o trabalho artístico no ferro fundido e pintaram-no regularmente de verde; nos casos de urinóis individuais, de vermelho. Alguns deles ainda estão em uso em diversas cidades inglesas e foram inclusivamente restaurados. Na Alemanha também foi adoptado este modelo.

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi Urinol público em Berlim, na Alemanha

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi

 Mictorio Mijar Publico Urbano Urinar Urinol Wc Xixi Urinóis públicos em Bristol e Lincolnshire, respectivamente, na Inglaterra

Este modelo de cabina, usado em todo o mundo, foi posteriormente adaptado para receber vasos sanitários que permitissem as pessoas sentarem-se, alargando o seu uso a outro tipo de necessidades fisiológicas e... às mulheres. Surgiram assim os WCs públicos que actualmente servem as nossas cidades. Mais higiénicos, mais confortáveis, são porém incomparavelmente menos belos do que os seculares urinóis públicos em ferro fundido. Mas isso é apenas uma questão estética...

Interessante e variada galeria de fotos no Flickr


benjamin mendes

There are those that look at things the way they are, and ask why? I dream of things that never were, and ask why not?
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //benjamin mendes
Site Meter