A Valsa com Bashir: desenhar as memórias de guerra



 Animacao Bashir Cinema Filme Guerra

Enquanto narrativa, o filme do israelita Ari Folman conta a história de um ex-combatente que tenta recuperar as suas memórias da guerra do Líbano de 1982 - a entrada das tropas israelitas em Beirute, e depois os massacres nos campos de refugiados.

É aqui que se coloca uma questão que é recorrente nestes temas de responsabilidade militar. Até que ponto quem vê percebe o que está a acontecer? Ari não conhece todos os dados desta guerra; aparentemente, tirando as altas chefias políticas e militares, ninguém sabe exactamente porque está ali; as acções de guerra e o avançar dos tanques acontecem como numa excursão, com música de fundo e tudo, e perante as interrupções súbitas da morte ninguém sabe bem o que fazer. E quando o horror dá os primeiros sinais, ninguém se dá conta. Podemos pedir mais a quem tem uma arma nas mãos?

 Animacao Bashir Cinema Filme Guerra

Como lê um soldado o mundo em que se move? Até que ponto o seu distanciamento é uma manobra legítima de sobrevivência, e até que ponto o incrimina? A primeira vez que me deparei com este tipo de debate, a guerra era outra: jornalistas, historiadores e ex-militares alemães discutiam numa série de artigos de jornal até que ponto as tropas regulares da II Guerra Mundial (os que não eram das SS) sabiam dos horrores dos campos de concentração. "Eu vi coisas estranhas, mas nunca me passou pela cabeça que fosse isso" - é uma resposta aceitável?

Chega de inocentes e culpados. A Valsa com Bashir é um filme visualmente poderoso, que vem provar que uma boa animação não precisa dos efeitos hiperrealistas em voga nos filmes da Disney/Pixar, com os seus brilhos e sombras arredondadinhos e perfeitos a tentar simular a tridimensionalidade. A cena de abertura, com a corrida dos cães, é uma alucinação arrebatadora. A expressividade dos rostos, num desenho aparentemente rígido; a banda sonora implacável, a dar uma segunda camada de sentido às imagens; e a visão, finalmente, de um relato do conflito do Médio Oriente que não se resume à contagem regular de mortos e feridos que ouvimos na TV - estes são apenas alguns dos bons motivos para não perder A Valsa com Bashir.

Veja aqui o tralier:

Ana Gomes

é colaboracionista e parasita ocasional do obvious. Acredita que há uma única forma correcta de comer bolos de arroz.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x1
 
Site Meter