o piano de Libeskind



daniel Libeskind nazi berlin piano

Gostaria de abordar o actual panorama da arquitectura mundial a partir do desenho de um piano. O piano é um instrumento icónico que entra no imaginário universal e é reconhecido como um objecto dotado de extremo rigor e de monumentalidade tanto no porte como na sonoridade.

O piano foi inventado por volta de 1698 por Bartolomeo Cristofori um fabricante de cravos de Florença e inicialmente era denominado de pianoforte e daí o diminutivo actual. Da família do piano temos o cravo e o clavicórdio, estes foram perdendo o protagonismo para o piano que se foi afirmando como seu sucessor pela sua polivalência e oferta de possibilidades. O piano actual possui 88 teclas que foram conseguidas a partir de décadas de experimentação pelos interessados entre os quais Ludwig van Beethoven. Existe o piano de cauda e o piano vertical, estes distinguem-se pela orientação do núcleo onde as cordas estão colocadas.

Quero falar dum piano em concreto e da maneira como expõe as características de uma arquitectura teoricamente débil do plano actual, o piano que Daniel Libeskind concebeu para a Schimmel pianos. Libeskind tem um percurso no panorama da arquitectura que se pontua pelo seu museu judaico de Berlim, cujo projecto pela sua forma e espaços agressivos e desconcertantes é tão vizinho do imaginário comum dos horrores passados pelas vítimas judaicas do III Reich.

Este museu é um objecto arquitectónico de enorme valor e ultrapassou barreiras tanto na sua teorização como na sua volumetria . Considero o museu judaico de Berlim um dos melhores feitos arquitectónicos do século XX, tem uma enorme carga conceptual que vai buscar a sua força á tragédia advinda da brutalidade nazi que condenou os judeus e o consequente genocídio dos mesmos. O museu transpira emoções profundas e sombrias, desespero e comoção, os seus espaços retratam fielmente o estado de espírito global de uma comunidade fortemente estabelecida transformada num gigantesco grupo de escravos cujas vidas não eram minimamente valorizadas. Este edifício consagrou Daniel Libeskind, porém como um actor ‘typecasted’, que escolhem para representar sempre o mesmo tipo de personagem, e que ficou intimamente ligado a este tipo de edificações e por todo mundo foi expandindo esta linguagem de volumes pontiagudos e retorcidos com janelas ziguezagueando cruamente recortadas no metal. Libeskind estagnou, encontrou a fórmula do sucesso, o mediatismo e espectáculo fácil, uma imagem de marca que retira a potência teórica ao já referido edifício marco inicial da carreira do arquitecto.

daniel Libeskind nazi berlin piano

O piano Schimmel reflecte muito bem esta estagnação, e caracteriza optimamente a arquitectura deste arquitecto e também a arquitectura ‘show-off’ actual, este objecto está impregnado com a imagem de marca de Libeskind, os ângulos agudos ameaçadores, os grandes balanços que desafiam a gravidade, as janelas ziguezagueantes que aqui se transformam em simples listas pintadas, e o espaço vazio sem funcionalidade. Tal como na sua arquitectura Libeskind produz um objecto que se reconhece imediatamente como de sua autoria pela sua formalidade. Parte do piano de cauda clássico, muda-lhe a ordem habitual das pernas, aumenta-lhe a cauda em comprimento curvando até ao chão, cola á volta do teclado feitios flagrantemente artificiais e modifica-lhe a sensual sinuosidade das linhas para a sua geometria rude e agressiva. Libeskind mantém naturalmente a forma do núcleo do instrumento pois esta tem a função de soar bem e como tal não poderia sucumbir á parafernália de artifícios aplicados. Com o aumento da cauda e para hiperbolizar o efeito de espectáculo quando o piano é aberto a tampa assume uma forma dentada o que cria um vazio na cauda que não se explica com nenhum melhoramento de som mas sim com a formalidade a que Libeskind cedeu.

Este objecto fala duma flagrância formalista a que a arquitectura actual está atirada, os concursos mediáticos só são ganhos por edifícios de formas gratuitas, onde o espaço é trabalhado em função da imagem, a busca da espectacularidade fortuita instalou-se e é preocupante ver o caminho que temos pela frente. A arquitectura influencia a vida das pessoas, constrói o cenário onde vivemos e reflecte de maneira indiscutível as sociedades onde se insere, estamos perante um mundo de superficialidade onde as pessoas mal se tocam, onde o indivíduo está completamente só no meio de multidões e isto preocupa. È certo que este tipo de arquitectura que se deixa levar pelo artificio contribui para a descoberta de novas maneiras de ver e trabalhar o espaço e que a experimentação é sempre positiva na medida em que permite a evolução das mentalidades e maneiras de viver, todavia não deverá ser a arquitectura a dizer ás pessoas o caminho a tomar mas sim o contrário. O futuro contará o que se passou.

Artigo da autoria de Claudio Cruz, Atol.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v2/s
 
Site Meter