avatar - a revolução de james cameron

Diversas pessoas do meio cinematográfico já tiveram a oportunidade de ver uma compilação com cerca de 25 minutos de cenas do filme. O espanto e as impressões positivas foram unânimes e muito do que se divulgou até agora está baseado em opiniões de nomes como Steven Spielberg, Peter Jackson, Jon Favreau (Homem de Ferro) e Stephen Soderbergh (Homens de Preto).


filme ficcao fantasia james cameron fantastico

Revolucionário. É muito complicado associar uma palavra como essa a qualquer tipo de filme. Foram poucos, em toda a história do cinema, que tiveram o privilégio de carregar esse adjetivo vinculado ao seu nome. Então o que dizer de um filme que sequer chegou aos cinemas e já criou em torno de si uma legião de fãs ansiosos por qualquer mísera informação a respeito do seu desenvolvimento?

Afirmar que Avatar será um sucesso absoluto e entrará para a história como um novo marco no mundo do cinema, sem dúvida, ainda é muito cedo. No entanto, faltando pouco menos de quatro meses para o seu lançamento já é possível, sim, tirar algumas conclusões e justificar parte da grande expectativa criada em torno do “mito” idealizado por James Cameron.

Avatar não é uma obra nova. Já em 1995, James Cameron colocou no papel suas primeiras idéias para o desenvolvimento deste novo complexo universo. Porém, mesmo sendo o cinema a arte do impossível, onde tudo é possível de ser realizado, produtores e técnicos foram unânimes em afirmar, com o reconhecimento do próprio diretor, que não havia ainda tecnologia suficiente para criar algo convincente naquela proporção. O que fazer? Muitos deixariam o projeto de lado e seguiriam suas vidas realizando um novo filme a cada um ou dois anos. Não Cameron.

Com o estrondoso sucesso de Titanic o diretor se voltou para aquele que parecia ser o projeto da sua vida. E se tudo aquilo que ele gostaria de colocar em prática ainda não era possível, a solução era uma só: criar algo que tornasse o seu sonho possível. De lá para cá foram quatorze anos envolvido com um único projeto. Depois da coroação pelo público e pela crítica da trilogia O Senhor dos Anéis, o mundo percebeu que era perfeitamente possível criar uma “Terra Média”, com personagens em CGI tão convincentes e expressivos como Gollum e, principalmente, apresentar isso com conteúdo. Depois disso, outra “novidade” se tornou a menina dos olhos do entretenimento: as salas com projeção em 3D. Com um novo caminho de possibilidades para serem trilhadas, era hora de tornar Avatar uma realidade.

filme ficcao fantasia james cameron fantastico

Com um orçamento oficial na casa dos US$ 200 milhões – embora muitos afirmem que a produção já tenha extrapolado os US$ 300 milhões – Cameron escolheu justamente os estúdios de Peter Jackson, a Weta Studios para dar vida aos efeitos especiais do mundo de Pandora. Para a captação de imagens e movimentos do atores, Cameron escolheu um hangar de 16 mil metros quadrados chamado “Spruce Goose” – mesmo local em que o milionário Howard Hughes construiu seu avião no início do século passado.

Com um sistema de câmeras mais ágil e mais leve que o próprio Cameron ajudou a projetar há nove anos atrás, a captação de imagens do filme é toda em 3D estereoscópico. A idéia é que o 3D não seja apenas um elemento exibicionista no filme e, sim, que ele tenha uma função de linguagem. Em resumo: você não verá cenas gratuitas apenas para dizer “olha, temos 3D”. A nova dimensão deverá ter uma função na história e despertar sensações específicas no espectador.

filme ficcao fantasia james cameron fantastico

Para afirmar essa revolução, não é preciso mesmo esperar o filme estrear. Sim, em termos tecnológicos Avatar já é um marco. O que veremos no filme que estréia em dezembro é o que de melhor a indústria cinematográfica já produziu até hoje e que, nos bastidores, é capaz de causar admiração até mesmo aos profissionais das empresas concorrentes – como a Industrial Light & Magic e a Digital Domain. A mesma tecnologia de captação de imagens também já está em franca utilização na produção Tintin, que reunirá Peter Jackson e Steven Spielberg em 2011. Porém, em termos de complexidade, ela está longe das necessidades de Avatar, que literalmente precisa recriar novos mundos para dar vida à imaginação de Cameron.

Artigo da autoria de Wilkerson Lamdin
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //homem