joana vasconcelos, tradição e modernidade

Azulejos azuis. Croché e bordados. Figuras religiosas. Corações de Viana. Garrafões de vinho. Joana Vasconcelos soube demonstrar a portugalidade (e outras tantas coisas que não dizem respeito só aos portugueses) e expô-la ao mundo, sendo a artista portuguesa de maior relevo da sua geração.



arte artista portugal tradição

Joana Vasconcelos é provavelmente a artista contemporânea portuguesa mais conhecida nos dias que correm. Nome incontornável da sua geração, tem um estilo próprio para se expressar: usando materiais diversos do quotidiano cria formas que nos são simultaneamente estranhas e familiares.

Vasconcelos nasceu em Paris em 1971 mas estudou, vive e trabalha em Lisboa. Em 2000 venceu o prémio EDP Novos Artistas e em 2006 o prémio "The Winner Takes It All". Expõe, regularmente, em Portugal e no estrangeiro, desde meados da década de 1990.

As suas peças são já bastante conhecidas, mas vale a pena recordar as mais emblemáticas: "Noiva" é um enorme candelabro composto de tampões OB; as peças "Coração Independente" são réplicas enormes das famosas jóias de Viana do Castelo, compostas por talheres de plástico moldados; "Cinderela" é um sapato gigante composto por panelas; "Contaminação" é um emaranhado de trapos com cores berrantes que se estende em vários metros de comprimento. Famosas são também as suas figuras de porcelana, normalmente religiosas e totalmente cobertas por croché.

É claro pela sua já recheada obra, que Joana Vasconcelos usa referências culturais, objectos quotidianos e materiais e técnicas populares. Cruzando tradição e modernidade, é das poucas artistas que conseguiu o difícil equilíbrio desta dicotomia mantendo-se fiel à essência do "ser português" e procurando na História e nos costumes lusitanos um complemento para o seu trabalho. Definitivamente, uma artista cujo percurso merece ser seguido.

arte artista portugal tradição

arte artista portugal tradição

arte artista portugal tradição

arte artista portugal tradição

Joana Vasconcelos

diana guerra

é normalmente zote, mas dizem que também se interessa por arte, cultura e essas coisas óbvias.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x8
 
Site Meter