As verdadeiras cidades de metal de Peter Root

Há quem diga que Roma não foi erguida num único dia, mas o artista norte-americano Peter Root não precisou de muito mais para construir a sua própria cidade. Composta precisamente por 100 mil grampos, "Ephemicropolis" é uma peça de design espantosa que coloca, pela primeira vez, toda uma metrópole no campo de visão do Homem.



cidade grampos agrafos metropole Peter Root

Onde alguns vêem apenas um utensílio de trabalho vulgar, frequentemente utilizado para arquivar toda a espécie de documentos, outros vêem o verdadeiro potencial do design. E não é isso que distingue os artistas dos comuns mortais? As instalações do norte-americano Peter Root provam isso mesmo: "Ephemicropolis" é uma composição artística conseguida unicamente a partir de grampos de diferentes tamanhos, utilizados para criar a ilusão de uma mini metrópole, verdadeiramente feita de metal.

A montagem da instalação só ficou concluída após 40 horas de minucioso trabalho. Esta "Ephemicropolis" é composta por um total de 100 mil grampos, utilizados individualmente ou em aglomerados até 12 centímetros de altura, e foram arranjados em diferentes tamanhos, simulando da forma mais real possível o contraste de alturas entre os edifícios que se encontram numa grande cidade como Nova Iorque. A predominância é dada, claro, às grandes estruturas verticais, à semelhança dos arranha céus.

A instalação de Peter Root representa muito literalmente o que hoje entendemos por cidades de betão e aço, essas metrópoles que poluem a linha do nosso horizonte com construções que cada vez mais nos relembram a pequenez e a fragilidade do ser humano. Ironicamente, aqui acontece exactamente o oposto em termos de escala: agora somos nós que olhamos de cima para essa minúscula cidade; agora é ela que se encolhe perante a nossa presença.

O nome desta fantástica composição, "Ephemicropolis", aparenta ser um piscar de olho ao conceito de efémero, quase troçando do prazo de validade imposto a todas as coisas materiais que, mais cedo ou mais tarde, acabam por se desgastar. Contudo, o artista parece querer revitalizar e reciclar - usando um termo que está agora nas bocas do mundo - esses mesmos materiais.

cidade grampos agrafos metropole Peter Root

"Interessa-me criar uma forma de arte que reconheça e se utilize de aspetos materiais do mundo que me rodeia, sem respeitar necessariamente a função para que foram designados: objetos, tecnologia, software, comida, som, entre outros. Estes elementos são os meus pontos de partida para a exploração do meu trabalho", afirma o artista na sua página web.

Na verdade, Peter Root construiu já outras peças igualmente fascinantes a partir de batatas, sabonetes e até microfones.

cidade grampos agrafos metropole Peter Root

cidade grampos agrafos metropole Peter Root

Peter Root

débora cambé

; Nunca foi nerd, mas gostava de o ser. Mesmo assim, acredita ser capaz de dar um ou outro bitaite sobre uma série de assuntos relativamente interessantes.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v3/s
 
Site Meter