banheiros do mundo

A escritora Morna E. Gregory e a fotógrafa Sian James lançaram-se numa aventura pelo mundo e documentaram em imagens os wc mais extravagantes e bizarros que foram encontrando ao longo das suas viagens. As surpreendentes fotografias foram compiladas no livro "Toilets of the World", que não tem deixado ninguém indiferente.


banheiro mundo toilets wc

Diz-me que WC frequentas e dir-te-ei quem és. É no fundo isso que nos mostra o álbum fotográfico "Toilets of the World", editado pela Merrell Publishers em Outubro de 2006. Este autêntico retrato cultural e sociológico é assinado pela escritora Morna E. Gregory e pela fotógrafa Sian James. Juntas, percorreram os cinco continentes em busca do que há de verdadeiramente genuíno em cada cultura. Afinal de contas, é na busca pela satisfação das suas necessidades mais básicas que o ser humano se revela na sua plenitude.

Ao todo, o livro documenta 142 WCs - que nem sempre envolvem um cubículo entre quatro paredes -, divididas inclusivamente por continente: América, Europa, África, Ásia e Oceânia.

Provando que este não é apenas mais um vulgar livro de viagens, as autoras elaboraram uma autêntica reconstrução histórica deste particular capítulo da vida quotidiana e do design que envolve os seus elementos funcionais. Desde o momento da sua invenção (na Grécia, ao que parece), aos grandes personagens da história que primeiramente o adotaram (como a rainha Elisabetta I), Morna E. Gregory e Sian James documentam inclusive a invenção do autoclismo e a sua difusão até no mais longínquo canto do globo.

banheiro mundo toilets wc

E porque o chamado da Natureza não escolhe hora nem lugar, foi instalada uma modesta retrete de madeira em pleno deserto da Namíbia. E não é uma miragem: tendo como pano de fundo algumas das dunas mais altas do mundo e o céu como única testemunha, não há que ter vergonhas neste remoto recanto da Terra.

O mesmo acontece no Salar de Uyani, na Bolívia, a maior planície salgada do mundo, com 12 mil quilómetros de extensão. E, além do sal, o que mais se vê nesta paisagem são cactos. E porque quem não tem cão caça com gato, a retrete ali instalada é precisamente feita a partir do tronco de um cacto já seco - cujos picos foram cuidadosamente retirados para todo o conforto do utilizador. Não há lugar como a nossa própria casa, é verdade, mas esta simples e eficaz retrete quase se funde com a paisagem e nem numa pintura surrealista o cenário poderia parecer mais credível.

E o nosso eterno fascínio pelo universo oriental não se desilude com a descoberta feita por Morna E. Gregory e Sian James em Tóquio, no Edifício Lemina. Aliás, o exuberante urinol é praticamente um exercício de troça de japoneses para japoneses. Tudo o que associamos a essa cultura: os flashes, a música e o riso penetrantes e frenéticos - está tudo lá. Embora pareça um tanto ou quanto assustadora, esta é definitivamente uma experiência que vale por si.

banheiro mundo toilets wc

banheiro mundo toilets wc

Finalmente, viajamos até à América do Norte. Se há sítio que não pode viver sem uma casa de banho, é um bar. Qualquer um que seja. Este em particular, no Canadá, orgulha-se de possuir uma grande variedade de whiskeys para oferecer aos seus frequentadores e uma casa de banho ainda melhor para arcar com as consequências de tantas provas. O Whiskey Cafe, em Montreal, conta com um urinol activado por sensores; enquanto está a ser utilizada, a enorme estrutura de metal enche-se de água, que apenas pára de correr quando os utilizadores a abandonam - chamemos-lhe apropriado.

"Toilets of the world" já foi publicado em seis línguas, embora o português não esteja (ainda) incluído. Seja como for, este é um álbum de apelo universal onde uma imagem vale mesmo mais do que mil palavras.

banheiro mundo toilets wc

Toilets of the world


Debora Canbé

Nunca foi nerd, mas gostava de o ser. Mesmo assim, acredita ser capaz de dar um ou outro bitaite sobre uma série de assuntos relativamente interessantes.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 3/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Debora Canbé