Little Miss Sunshine - uma história contada pelos vencidos

"Há dois tipos de pessoas nesse mundo, vencedores e perdedores". São frases como esta que permeiam os diálogos entre as personagens de Little Miss Sunshine - pessoas que, como muitos de nós, não conseguem escapar ao sentimento clichê de sentirem-se obrigadas ao "sucesso", seja lá o que isso queira dizer.


little miss sunshine

Sarcástico, politicamente incorreto, irreverente...são algumas das palavras que descrevem este filme de 2006 (Pequena Miss Sunshine, no Brasil, e Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos, em Portugal).

Ao contrário do que muitos pensam, o filme não conta a estória de uma família feliz que, apesar de todas as dificuldades, trilha impávida o seu caminho. Muito menos faz parte da gama de filmes hollywoodianos que conduzem a trama para um final feliz. O enredo pode até ser decepcionante, se você é daqueles que esperam que no final tudo dê certo.

A família Hoover é formada por indivíduos que não conseguem superar as próprias frustrações e não conseguem passar por cima de muitos obstáculos, creditando-a como uma das mais patéticas e fracassadas famílias de todo o cinema.

O filme tem algumas circunstâncias bem ridículas e que beiram o absurdo - mas o espectador se identifica com o drama dos protagonistas, com o sentimento de inquietação diante de uma vida que, aparentemente, não acontece, na qual os passos dados parecem não fazer sair do lugar. Um genuíno sentimento de impotência e autocomiseração, apesar do otimismo latente de algumas situações. A família Hoover é prejudicada pelos pressupostos sociais do que deveria ser ou ter.

Afinal, pergunta-nos este filme, qual o critério para sermos considerados perdedores ou vencedores? Quem estabeleceu esses critérios e porque cedemos a eles? Miss Little Sunshine satiriza todas essas questões.

little miss sunshine

A trama decorre enquanto os Hoover atravessam o Novo México, em uma velha kombi amarela, para levar a filha caçula a um concurso de beleza na Califórnia. A princípio, parece desinteressante, sugerindo, no máximo, um entretenimento recalcado em típicos temas de peripécias familiares mescladas de road movie. Mas o casal de diretores, Jonathan Dayton e Valerie Faris, vai além. O roteiro enfoca as seis distintas personalidades dos membros da família, tão diferentes que sua coexistência chega a ser histérica. Cada um, ao seu próprio modo, busca adaptar-se ao papel que, acreditam, foram destinados a desempenhar numa sociedade abusiva que, por meio de seus dogmas, os escraviza e idiotiza com padrões absurdos.

Porém, a principal personagem do filme é a velha kombi amarela. Apesar das intransponíveis diferenças entre os membros da família, o tempo que passam dentro da kombi abre oportunidade para partilharem as suas experiências, aliviando o fardo de cada um. A kombi, por sua vez, precisa ser empurrada sempre que um novo trecho da viagem é iniciado. Uma grande metáfora que mostra que o lugar comum a todos é o elo que permite apoiarem-se mutuamente.

little miss sunshine

Mas se este filme nos faz refletir sobre questões sérias, ele sustenta o seu potencial cômico durante todo o tempo, com cenas muito bem arquitetadas e humor inteligente. Filosofias são descascadas nas entrelinhas dos diálogos, incluindo referências a Nietzsche e a Proust.

O filme é uma crítica violenta ao culto à beleza, aos estigmas de vencedores e perdedores, sugerindo que a vida não é um concurso permanente. A vida é fracassar, perder, cair, e, por fim, levantar-se para novamente empurrar aquela velha kombi no caminho certo. Talvez o sucesso não sejam todas as conquistas, mas sim todas as tentativas.

O elenco ostenta grandes nomes como Greg Kinnear, Toni Collette, Steve Carell e o veterano Alan Arkin, que contribuíram para o sucesso de crítica e público. Little Miss Sunshine levou duas estatuetas do Oscar; o de Melhor Ator Coadjuvante para o fantástico Alan Arkin e o de Melhor Roteiro Original, além de ter sido indicado a mais duas categorias: Melhor Filme e Melhor Atriz para a jovem Abigail Breslin. A trilha sonora é imperdível, com músicas de Mychael Danna, Devotchka e Sufjan Stevens.

little miss sunshine

Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4.


rejane borges

Gosta das cores de folhas secas ao chão. E das cores das folhas velhas dos livros.
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/cinema// @obvious, @obvioushp //rejane borges