Matthias Seifarth: a beleza do grotesco

O artista gráfico e ilustrador alemão Mathias Seifarth conta com um extenso número de trabalhos classificados como bizarros. Inspirado pelas “esquisitices e personagens estranhas do dia-a-dia”, transforma o grotesco numa beleza bem-humorada. As suas ilustrações convertem pessoas e animais em possíveis personagens saídas de um filme de zombies ou de vampiros. Não tenha medo, isto é apenas arte.


matthias seifarth desenho

Se pegarmos no dicionário, procurarmos a palavra beleza e lermos o seu significado talvez este não se adeque ao que se segue. Porém, também sabemos que tal como com muitas outras palavras, cada pessoa é livre de fazer as suas próprias interpretações. E se a beleza está nos olhos de quem a vê, quem do mais insólito gosta, bonito lhe parece.

Alemão de nascença, Matthias trabalha como artista gráfico e ilustrador, sendo freelancer desde 2009. O próprio destaca o seu trabalho na área editorial como sendo o seu favorito: “Quero que seja uma ajuda fundamental para músicos e editores se destacarem no meio” . Alguns do seus trabalhos podem ser vistos em publicações como a Rolling Stone, J’N’C, Intro Magazine, Empty Magazine e Indie Magazine e em capas de vários artistas: Arcade Fire e Banda Horses, por exemplo.

Das profundezas da sua mente, saltam para a ponta dos seus dedos ideias e pensamentos obscuros inspirados no mais simples do quotidiano. Alguma situação engraçada, um acontecimento festivo, uma pessoa fora do comum ou um animal de que se fale. Depois, é só dar contornos à imaginação. Transformar a sua beleza em algo grotesco, mas sem que esse mesmo grotesco apague parte dessa beleza. Acrescentar uns dentes de fora a alguém não é de todo má ideia - os vampiros até estão na ordem do dia. Envelhecer Wilma Flinstone e Betty Rubble parece adequado: afinal, elas são da era da pedra. Crianças a brincar com borboletas e morcegos? O contacto com a natureza é importante.

matthias seifarth desenho

Embora com a sensação de que alguma criatura perturbadora possa ganhar vida nas suas ilustrações, nelas Seifarth não deixa de lado o bom-humor. As cores cinzenta e castanha predominam como fundo em praticamente todas elas. Não há cores berrantes nem brilhantes para contrastar. O mesmo género de tons usados provoca o mesmo tipo de sentimentos em relação a cada uma. Entramos num universo macabro, com mais doses de risos que de medo.

Actualmente, Seifarth trabalha e vive em Hamburgo.

matthias seifarth desenho

matthias seifarth desenho

matthias seifarth desenho

matthias seifarth desenho

Mais trabalhos no site de Matthias Seifarth.


diana ribeiro

Gosta de cores, comer algodão doce, ouvir as ondas do mar, cheirar e tocar em livros novos. Não dispensa o uso de nenhum dos sentidos.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //diana ribeiro