O Labirinto e o encontro das mentes fantásticas

Quando Maurice Sendak escreveu "Outside Over There" em 1981, ele não imaginava que, cinco anos depois, a sua história serviria de inspiração para um dos grandes filmes fantásticos da década de 80: "Labirinto - A Magia do Tempo". Além de Sendak, outros nomes de peso fazem parte dessa rede encantada que ajudou o filme a se tornar o que é. Vamos à pipoca?


jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

Labirinto - A Magia do Tempo foi idealizado no momento certo, oportuno. O seu enredo absurdo e assustador, envolvendo o sequestro de uma criancinha e o sutil romance entre uma adolescente e um homem adulto; e as suas personagens sedutoras, frágeis e também grotescas, dificilmente encontrariam o espaço e a acolhida devida nos dias de hoje, em que o pensamento e a atitude politicamente correta tornaram-se norma, roubando dos textos originais e do ato de ler e apreciar uma obra de arte toda a magia inerente a ela.

Quando eu era pequena tinha o costume de assistir a determinados filmes inúmeras vezes. Meu pai dizia que eu ia gastar a fita e que a tela da TV ia queimar. Que ele não ia renovar a mensalidade da locadora porque eu não variava o meu repertório. Ele tinha todo um papo. A verdade é que havia filmes que eu tinha prazer em saber de coração cada fala, cada cena, enquanto outros simplesmente me causavam um temporal de emoções. E o Labirinto é um deles.

Realizado em 1986 por Jim Henson (seu último longa metragem antes de falecer) e produzido por George Lucas, o filme Labirinto - A Magia do Tempo conta com a participação do ícone pop David Bowie no papel do extravagante Jareth, o rei dos goblins, e Jennifer Connelly como a jovem Sarah Williams. A trama aparentemente simplista se desenvolve em torno de Sarah, que sai em busca do seu irmão, o bebê Toby, que foi levado pelo rei dos goblins, numa aventura que mudaria para sempre a sua vida. O filme conta também com a participação excepcional de bonecos animados e marionetas - a maestria de Henson, o pai dos Muppets.

Quando Maurice Sendak, escritor e ilustrador americano de literatura infantil, escreveu "Outside Over There" em 1981, ele não imaginava que, cinco anos depois, a sua história serviria de inspiração para Jim Henson e sua equipe. Além de Sendak, outros nomes e obras clássicas fizeram parte desta rede encantada que ajudou o filme Labirinto a se tornar o que é: O Mágico de Oz, Alice no País das Maravilhas e o trabalho de M. C. Escher, por exemplo. Entretanto, foi o conto de Sendak que lhe conferiu este caráter fantástico, de aventura e de mistérios. E Henson não poderia ter escolhido melhor, já que Sendak produziu obras primorosas que dão voz ao nosso imaginário de maneira sem igual.

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

Para situá-los, o livro de Maurice Sendak Outside Over There conta a história de um bebê que é sequestrado por goblins e resgatado mais tarde pela sua irmã, então com nove anos de idade: "Com papai no mar e mamãe no porto, Ida tocava o seu fagote para acalantar o bebê, mas sem olhar. Então vieram os duendes. Eles forçaram a porta e puxaram o bebê para fora, deixando em seu lugar um outro todo feito de gêlo." * Apesar das pequenas diferenças entre os enredos, ambos os autores, Henson e Sendak, compartilham do mesmo tema, que é a forma particular como uma criança aprende a lidar com os mais variados sentimentos e situações (perigo, medo, frustração, inveja, tédio) atribuindo-lhes significados pertinentes para toda uma vida. É por isso que este filme sempre me causou um turbilhão de sensações. Pois era como entrar num pesadelo repleto de mensagens e camadas infinitas. Um pesadelo leve e denso cujo autor fez verdadeiro uso da linguagem (sem travas ou censuras) situando-a em outras realidades.

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

O que existe de mais bonito no conceito da intertextualidade é o diálogo que pode ocorrer em diversas áreas do conhecimento e em todas as manifestações em que o homem é capaz de imprimir a sua marca, sublimando as pequenas coisas por algo maior. A relação entre o Labirinto e a obra de Lewis Carroll, por exemplo, é que as duas histórias, a princípio superficiais, são enganadoras e nos fazem questionar o significado do que se diz ou se vê. Tanto em Alice, quanto em Labirinto, o mundo imaginado da toca do coelho e do labirinto em si se tornam entidades autônomas que nos convidam a jogar e a decifrar. Num eterno embate entre o real e o imaginário, a razão e a falta dela. O mesmo poderia ser dito sobre as ilusões de ótica tão impressionantes e paradoxais de Escher que, apesar de fazer uso de uma linguagem ou meio completamente distinto, nos desconcerta e faz ascender a outros mundos.

É por meio do diálogo e da troca entre todas estas obras que vemos nascer um trabalho mais rico e sólido, capaz de perdurar décadas. Neste caso, nostálgicos 25 anos.

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

jim henson george lucas labirinto magia tempo david bowie outside over there

* (tradução livre).

Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8.


isabella kantek

nasceu em Lorena, mas atualmente vive em Astoria. Faz barquinhos de papel e deposita santinhos na lagoa onde a água flutua sobre as folhas, sujeiras diversas e constelações.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 3/s/cinema// @obvious, @obvioushp //isabella kantek