Revolutionary Road - o desespero do sonho americano

"Revolutionary Road" é um livro de Richard Iates publicado em 1961. Foi retomado em 2008 pelo realizador Sam Mendes que conseguiu trazer para o grande ecrã a estória do casal Wheeler, desesperado por escapar ao sonho americano. Numa tentativa de salvarem o seu casamento, Frank e April planeiam recomeçar as suas vidas em Paris, mas às vezes fugir dos nossos problemas não é assim tão simples...


revolutionary road sonho americano paris sam mendes

Ler um livro e ver um filme é conhecer a mesma estória a duas velocidades, a dois tempos, como duas faces da mesma moeda que se complementam, juntando a arte do detalhe ao poder visual. "Revolutionary Road" é o retrato crítico de uma América suburbana visto deste prisma, e com uma actualidade surpreendente (ainda que seja sempre um cliché dizê-lo). O livro, escrito por Richard Iates em 1961, foi retomado e levado para o grande ecrã em 2008 por Sam Mendes, realizador consagrado com "Beleza Americana".

Apesar do que possa transparecer, o nome do livro não é mais do que uma ironia provocante: Revolutionary Road é o nome da estrada que leva os protagonistas para um abismo em espiral de monotonia e surdez. A vida que Frank Wheeler (Leonardo Di Caprio) e April Wheeler (Kate Winslet) levam é tudo menos revolucionária. Depois de uma juventude inquieta em que o espírito crítico agudo e o sarcasmo predominaram, este casal muda-se para os subúrbios e leva uma vida sem surpresas com os dois filhos.

Estamos em 1955, no estado de Connecticut, Estados Unidos. E o que acontece numa época conservadora pré-anos 60, quando as esposas são condenadas à lida doméstica, como se as suas vidas terminassem no momento em que têm um filho? O que acontece aos homens aborrecidos que já não vêem nas suas mulheres o futuro que esperavam? O que acontece quando os sonhos e os ideais da juventude começam a fugir repentinamente, sendo substituidos pelo vazio?

revolutionary road sonho americano paris sam mendes

As discussões acabam por ocupar a rotina de Frank e April, num egoísmo que os impede de ver tudo o que os rodeia. Será pretensiosismo ou desapego aquilo que os afasta do mundo? Eles são uma consequência da Segunda Guerra Mundial, vivem o sonho americano por imposição e declaram-se alheios ao mundo exterior como mecanismo de defesa. Frank apanha o comboio todos os dias para trabalhar 10 horas num escritório que odeia. April é a dona-de-casa sem vocação, aprisionada na boa aparência dos subúrbios e na convivência com vizinhos que despreza.

Revolutionary-Road.jpg

Dentro deste caos de hostilidade mútua, os Wheleers encontram um plano para salvar o seu casamento (e as suas vidas): decidem deixar tudo para trás e ir viver em Paris. Querem vender a casa, o carro e tirar os filhos da escola. April trabalharia para uma agência americana na França, e Frank teria tempo para se descobrir, ficando em casa com os filhos. Entre as arrumações para a viagem, as indecisões e as euforias do futuro que se avizinha, o delírio constante apenas adia os verdadeiros problemas, e Frank e April acabam por se afastar mais do que aproximar. O casamento está à beira da ruína.

revolutionary road sonho americano paris sam mendes

Nesta reprodução do sonho americano falhado, apenas John Givings, um homem declarado mentalmente incapaz, consegue ver o desespero desta vida nos subúrbios. "Muitas pessoas conseguem ver o vazio, mas é preciso coragem para ver a falta de esperança", diz. Curiosamente, é também ele o único a apontar as indecisões do casal e a ver o vazio irremediável em que eles estão enclausurados.

maxresdefault (1).jpg

Livro e filme completam-se ao construir e reconstruir o desespero de dois jovens adultos. Finalista do National Book Award em 1962, o romance de Iates é mais aberto a interpretações, deixando-nos mergulhar na mente de Frank: a narrativa é contada segundo a sua perspectiva, e apenas um capítulo mostra os pensamentos de April. Por outro lado, mesmo sendo o guião do filme fiel ao livro, Mendes dá-nos mais pistas na interpretação da estória. "Eu entendo que você queira uma saída", diz um vizinho a April, tentando mostrar compreensão pelo desejo de fuga para Paris. "Não, eu quero uma entrada", é a resposta dela.

Mais detalhes é impossível contar, para não corromper a experiência de quem ainda não tenha visto o filme ou lido o livro. Apenas noto que as semelhanças com a banda sonora de "Beleza Americana" auguram algo de trágico, num clima de desespero que poucos conseguem transmitir como Sam Mendes.

revolutionary road sonho americano paris sam mendes

revolutionary road sonho americano paris sam mendes

Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4, 5, 6.


Diana Caldeira Guerra

A Diana gosta de caracóis temperados no verão, canja de galinha no inverno e autores clássicos em todas as estações do ano
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Diana Caldeira Guerra