The social network - O mundo ligado à rede

O homem que revolucionou a comunicação ao criar uma ferramenta social usada por mais de 500 milhões de pessoas foi eleito pela revista “Time” como a personalidade de 2010. Foi também no ano passado que o realizador David Fincher produziu “The social network” (“A rede social", em Portugal e no Brasil). Este não é um filme apenas sobre o facebook e o modo como ele alterou as nossas vidas. É a história de um jovem ambicioso, carente e ansioso pela aceitação dos seus pares. Esta poderia ser a história de muita gente, mas é a de Mark Zuckerberg.


social network facebook mark zuckerberg

Em 2003, Mark Zuckerberg era apenas mais um estudante da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Com uma inteligência acima da média, o seu desempenho universitário realizava-se sem qualquer dificuldade, apesar de não ser o suficiente para se destacar dos seus colegas. Tinha namorada, amigos e um blogue.

Quando passou só a ser estudante, a ter amigos e um blogue, usou este último para humilhar publicamente a ex-namorada que o tinha deixado. Daí a ter criado o que seria o primeiro passo para o facebook, pouco tardou. O “FaceMash” pretendia eleger as raparigas mais giras das redondezas. Mark invadiu as bases de dados de várias residências, copiou as fotografias das alunas e colocou-as num frente-a-frente. Os alunos só tinham que “clicar” e escolher quais as suas preferidas. Em poucas horas, recebeu milhares de visitas e fez com que o sistema informático de Harvard colapsasse.

Conseguiu ser suspenso e chamar a atenção de Cameron e Tyler Winklevoss, dois gémeos ricos da equipa de remo, e de Divya Narendra. Eles tinham uma proposta para Mark: ser o programador do "Havard Connection”. O site iria ligar em rede todos os estudantes da universidade, numa espécie de fórum. Apesar de ter aceitado, não chegou sequer a trabalhar no projecto. Juntamente com Eduardo Saverin, desenvolveu a ideia para o “thefacebook”, uma rede social exclusiva onde todos pudessem também partilhar as suas informações pessoais, gostos, fotos e interagirem com os restantes.

O sucesso foi imediato, fazendo não só com que todos ficassem virtualmente conectados, como o acusassem de roubo de propriedade intelectual ao usar o conceito do “Harvard Connection”.

Zuckerberg fez acontecer o “facebook me”. Mas e quem estava fora da universidade? A ex-namorada estava. Surpreendido por esta não saber da sua invenção nem tão pouco estar interessada, decide expandir o site. A partir daí, compreende-se uma das melhores frases do filme “"todos os mitos de criação precisam de um demónio". Esta é chave. Todos nós precisamos de uma motivação, uma razão, uma inspiração, seja qual for. Não é possível viver sem ela, isso seria sobreviver. E quem diz que nunca sentiu uma vontade de ser aceite e respeitado pelos demais, não diz a verdade. O que acontece é que não medir os custos de uma elevada ambição pode trazer-nos 500 milhões de “amigos” e uns quantos inimigos. Num jovem cujas capacidade intelectuais estão em proporção inversa às suas capacidades emocionais, poderia ser de outra forma?

social network facebook mark zuckerberg

social network facebook mark zuckerberg

A mestria de Fincher, neste filme, está em transformar estas duas horas num duro golpe de estômago em que pelo meio já não conseguimos censurar o protagonista, brilhantemente interpretado pelo actor Jesse Eisenberg, mas apenas tentar percebê-lo. Porquê ter-se aliado a um desconhecido, mas mundialmente conhecido Sean Parker (fundador do site Napster) e trair o melhor amigo? Porquê tanta luta pelo poder sem medir consequências e assim destruir verdadeiras relações?

E isto, num genial ping-pong cinematográfico entre o passado e o presente, culmina com o verdadeiro sentido da rede social. Não é preciso fazer perguntas às pessoas: elas respondem primeiro. Já abriram a sua intimidade, já partilharam os seus gostos, as suas viagens, as suas opiniões, as suas decisões. Mas será que isto substituiu o mundo real? O mundo mudou, mas as relações virtuais não podem substituir as relações afectivas, não podem criar dois indivíduos num só. Se isto acontecer, corremos o risco de acabar sentados em frente de um ecrã, à espera de um “clique positivo” a um pedido de “amizade” feito a quem talvez devêssemos ter valorizado.

Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4.


diana ribeiro

Gosta de cores, comer algodão doce, ouvir as ondas do mar, cheirar e tocar em livros novos. Não dispensa o uso de nenhum dos sentidos.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //diana ribeiro