Cats: um espetáculo de encantamento

Numa noite especial, todos os gatos Jellicle marcam presença no Jellicle Ball. Todos eles querem ser "o escolhido" pelo respeitado líder e assim seguir para Heaviside Layer. Este é o ponto de partida do prestigiado musical Cats. Um espectáculo que, desde 1981 encanta miúdos e graúdos. Duas horas repletas de luzes, música, dança e, claro, muitos gatos à mistura.


cats musical

O palco é invadido por uma luz que irrompe da escuridão inicial. Um a um, vinte gatos vão surgindo. Todos estão preparados e dispostos a conquistar um lugar: a ida para Heaviside Layer, onde poderão renascer e dar uma nova vida à era Jellicle.

Andrew Llyod Webber é o nome por detrás desta história. Para produzir o musical, adaptou um conjunto de poemas da obra "Old Possum's Book of Pratical Cats" de T.S. Eliot, publicado em 1939. A estreia aconteceu no West End londrino, no New London Theatre, em 1981, com interpretações de Elaine Page, Brian Blessed, Paul Nicholas, Wayne Sleep e Sarah Brightman (que mais tarde viria a tornar-se cantora). Apenas um ano depois, já era exibido no Winter Garden Theatre da Broadway.

O espectáculo conta com uma fabulosa série de números musicais e danças, onde cada gato exibe os seus talentos em harmoniosa fusão com a poesia. Inicialmente apreensivos face ao contacto humano, vão suavemente revelando as suas vidas, e inclusivamente explicam que cada um deles possui não um, mas três nomes: aquele que é usado pelos donos, outro usado entre o grupo e um terceiro que é secreto.

Certo é que cada personagem-gato parece representar um estereótipo humano. Vejamos: existe o malandro, aquele que mantém uma vida obscura roubando, uma gata marginalizada pela sociedade e até um actor que vive das memórias e dos sucessos do passado. Lembra uma outra espécie, não? Depois há o maravilhoso guarda-roupa e a agilidade com que os actores se movem dentro dele. Uma recriação fiel das "pisadas" felinas, de uma perfeição que faz inveja a todos quantos se sentam na plateia.

Entre as personagens mais marcantes do bando, há que destacar três: Muskustrap, Old Deuteronomy e Graziela.

cats musical

Muskustrap, o gato em tons de preto e prata, é narrador e um óptimo contador de histórias. O seu caractér protector e a atitude corajosa fazem com que seja visto como um segundo líder da tribo. Old Deuteronomy, o líder oficial. O patriarca, o mais velho e o mais respeitado pelos Jellicle. E Graziela. Uma glamorosa gata que acabou por perder o rumo e só deseja ser novamente aceite. Ao ter abandonado a tribo, ainda muito jovem, não só conheceu de perto o Mundo e como este pode ser cruel, como perdeu a confiança dos seus pares. Graziela é posta de lado e agora é a ela quem abandonam.

É na sua voz que o sucesso "Memory" chega ao público. (Re)gravada um sem número de vezes, esta música já passou pelas vozes de José Carrera, Barbara Streisand, Sarah Brightman e, mais recentemente, garantiu o èxito de Susan Boyle no programa televisivo "Britain's got talent". É um "arrepio na espinha", um dos pontos altos emocionais de Cats, com a qual Graziela ganha forças e enfrenta novamente a vida.

Em 1998, o musical foi gravado em DVD. Desde aí, também já foi representado um pouco por todo o Mundo. Grã- Bretanha, EUA, Canadá, Austrália, Espanha, Portugal e Brasil. Actualmente, está traduzido em mais de vinte idiomas e já foi visto por 50 milhões de espectadores.

Fontes de imagens: 1, 2, 3.


diana ribeiro

Gosta de cores, comer algodão doce, ouvir as ondas do mar, cheirar e tocar em livros novos. Não dispensa o uso de nenhum dos sentidos.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// //diana ribeiro