OBVIOUS dá 40% desconto na Amazon

George Orwell - 1984

Lucas Simões: olhar em combustão

Quem já sofreu qualquer tipo de queimadura pelo corpo sabe que a dor que se segue é latejante, capaz de nos imobilizar, dependendo da sua profundidade e localização. Agora imagine rostos alheios incendiados e desfigurados, para efeitos que vão além do físico, quando a dor do outro se torna sua. Falo da série de fotografias Quem Brinca Com Fogo do arquiteto brasileiro Lucas Simões, em que rostos e corpos não mais correspondem ao que um dia foram.



lucas simoes fogo combustao fotografia

Formado em arquitetura pela PUC-Campinas e pelo Politecnico di Milano, Lucas Simões faz uso de objetos cotidianos como retratos e livros na criação do seu trabalho, que compreende desenhos, recortes e instalações transgressoras, que buscam resgatar da mesmice e do senso comum todo sentido a eles atribuído. Desde a sua formação em 2003, Lucas participou de muitas exposições pelo Brasil afora e foi premiado duas vezes. Em 2009, recebeu o Prêmio Citi Novos Artistas (Espaço Cultural Citibank, São Paulo, SP), e em 2010, o Grande Prêmio do Salão de Pequenos Formatos da Amazônia (UNAMA, Belém, PA).

O arquiteto e também artista conta que o seu interesse pela arte vem de longe, levando-o a estudá-la ainda pequeno. Aos 16 anos organizou a sua primeira exposição individual, que consistia na ocupação de uma casa vazia onde realizou instalações e expôs suas telas. Segundo Simões, o trabalho daquela época em nada se assemelha ao de hoje, mas sem duvida foi muito importante para a sua formação. Atualmente, o seu trabalho mantém uma conexão forte com a arquitetura no sentido da construção dos recortes, das sobreposições e dos padrões geométricos, gerando naturalmente um pensamento de profundidade e perspectiva.

O impacto do seu trabalho Quem Brinca Com Fogo reside no próprio fogo, mas não se limita a ele. É a força motriz que produz calor e luz, e que destrói para resconstruir. Na verdade, este é o mecanismo da obra de Lucas Simões: buscar a compreensão às avessas.

As fotografias queimadas representam o ponto de mutação da nossa ótica acomodada e frágil, e nos causam tantas emoções quanto perguntas. Perturbadoras numa primeira instância, elas exigem e pressupõem um olhar mais demorado. Não foram encomendadas, nem tiradas ao acaso para efeitos de moldura, mas, segundo Simões, realizadas em um momento em que se fazia necessário pôr em esquecimento e resignificar a dor e o vazio. Porque o fogo é um ritual e todo o ritual implica mudanças e travessia.

lucas simoes fogo combustao fotografia

lucas simoes fogo combustao fotografia

Seus retratos não apontam para um isto ou aquilo e, desta forma, transcendem o pensamento bipolar convencional. Chegam a ser estranhamente belos (o olhar distante e quase intocável da moça na janela), mas igualmente frontais e crus, apesar da aniquilação dos rostos e seus órgãos (o rosto do rapaz consumido pelas chamas). As queimaduras ora profundas e amplas, ora restritas e sutis feito pinceladas numa tela (o jovem na cama se deixando queimar) sugerem o outro lado da dor, a que surge depois do momento do trauma, uma espécie de isolamento e desamparo terríveis que (nós, leitores) sentimos com o corpo e a pele intactos.

Ao fazer atentar para os detalhes aniquilados pela chama e queimaduras simbólicas, o artista nos mostra que tem pleno domínio sobre o fogo. Um movimento que nos ajuda a constatar que nenhum dos rostos e corpos retratados nas fotografias parece querer fugir, correr do seu destino fatal, por pior que pareça. Imolados, eles nos presenteiam com o próprio sofrimento e vazio que o engenho humano compreende.

lucas simoes fogo combustao fotografia

lucas simoes fogo combustao fotografia

Mais trabalhos no flickr de Lucas Simões.

isabella kantek

nasceu em Lorena, mas atualmente vive em Astoria. Faz barquinhos de papel e deposita santinhos na lagoa onde a água flutua sobre as folhas, sujeiras diversas e constelações.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x1
 
Site Meter