O guarda-roupa dos ditadores

Esqueça a semana de moda em Nova Iorque, Paris, Milão e Londres. Cancele as suas assinaturas das revistas Vogue, Cosmopolitan e Marie Claire ou as reserve para colagens ou reciclagem. Há um novo grupo com pretensões de marcar as tendências de moda: os ditadores.


roupa ditador Foto: U.S. Navy.

Foi-se o tempo em que a vestimenta militar era a peça central no guarda-roupa dos ditadores. De tão eloquentes e originais na maneira de vestir, acabam por criar para cada um a sua própria Era do Ouro da moda. As escolhas variam, e tendem a ser tão metódicas, rigorosas e extravagantes quanto a maneira de cada um governar: há quem chame ao estilo de revolucionário, mas também progressivo, retro e nostálgico. Se Carmel Snow fosse viva, exclamaria 'This is a new look!'. Enquanto Azzedine Alaia cobriria os seus olhos com Lycra.

E em se tratando de um novo look, nenhum ditador inovou tanto como Moammar El-Gadhafi, que está agora nas bocas do mundo pelos piores motivos. Um look também conhecido como 'dictator chic' no mundo ocidental. Com influências que vão desde Lacroix, passando por Liberace, Phil Spector (penteado) e Idi Amin, o chefe de Estado da Líbia é simplesmente despido de qualquer constrangimento ou pudor quando o assunto é moda.

roupa ditador Muhammar Kadhafi. Foto: U.S. Navy.

Suas escolhas, aparentemente norteadas pelas circunstâncias e ocasiões, não deixam de causar um certo efeito na platéia, pois são, acima de tudo, inesperadas. Em conferências africanas, ou na verdade quando lhe convém, ele segue a tradição do uso de dashikis e kufis bordados, cuja profusão de cores e combinação de tecidos e estampas nos remetem a um dos pontos altos da cultura africana - presença obrigatória nas passarelas internacionais nestes últimos anos.

Em momentos não menos efusivos, como encontros internacionais, ele encarna um espírito mais republicano com um uniforme formal que tampouco dispensa adornos, como a fotografia do herói libanês nacional al-Mukhtar. Óculos Ray Ban, condecorações que quase saíram de uma feira parisiense e chapéus para todos os gostos e estilos compõem a figura deste versátil déspota.

A mais nova tendência da moda incorpora elementos da cultura e política local, sem deixar de lado o carácter utilitário da vestimenta. Pelo menos é assim que Kim Jong-il gosta de imaginar a moda. Figura de destaque na longínqua Coréia do Norte, Jong-il nos últimos anos passou de homem mistério a fashion victim internacional. O seu guarda-roupa oscila entre conjuntos blaser e calça, jaquetas folgadas no vestir, sapato plataforma e óculos de sol. Um colete à prova de balas lhe garante toda segurança que o seu cargo exige, sem contar com a proteção contra mau agouro.

roupa ditador Robert Mugabe. Foto: U.S. Navy.

Desconstruindo a liberdade de imprensa e a moda tradicional, ditadores e líderes assumem a passarela global sem perder, cada qual, a sua identidade. Neste viés, o leitor nunca encontrará o líder Robert Mugabe, cujo conjunto de ternos acumulados vale milhões de dólares, vestindo um terno cuja gravata e lenço não combinem, independente do status do PIB, crescimento econômico e inflacionário que encontre a sua nação. Mas não só de terno vive Mugabe. Em momentos de pura descontração é possível encontrá-lo de boné. Este acessório que há anos deixou de fazer parte exclusiva da cabeça de jogadores de baseball americano. 

Entre os ditadores latino-americanos, Hugo Chávez e Fidel (incluindo o irmão deste último, Raúl Castro), vemos repetir sem muita margem para criatividade o modelo "guerrilha encontra o mundo globalizado", com espaço para tradicionais uniformes verde-exército, ternos contidos sem gravatas Mickey e um toque do vermelho marxista para jamais esquecer. Enquanto Chávez procura estabelecer um certo vínculo com o seu povo vez ou outra por meio de camisas e camisetas vermelhas, Fidel desfila bonacheirão com os seus trajes esportivos para efeitos lounge. De acordo com Jeffrey Goldberg, Fidel é o rapaz que se parece com Fidel, se Fidel comprasse na loja L.L. Bean. De duas. uma: ou Goldberg não entende nada de Fidel, ou há mais sobre Fidel que uma guayabera ousa saber.

roupa ditador Hugo Chávez. Foto: Agência Brasil, licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil


isabella kantek

nasceu em Lorena, mas atualmente vive em Astoria. Faz barquinhos de papel e deposita santinhos na lagoa onde a água flutua sobre as folhas, sujeiras diversas e constelações.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/lifestyle// @obvious, @obvioushp //isabella kantek