Budapeste: do livro ao filme

A adaptação cinematográfica da premiada obra de Chico Buarque “ Budapeste”, chegou recentemente às salas portuguesas. O realizador Walter Carvalho afirmou não ter sido completamente fiel à história do músico. Nós confirmamos e perguntamos: leu o livro? (já)viu o filme ou até ambos? Qualquer que seja a resposta, embarque connosco neste vaivém entre o Rio de Janeiro e Budapeste, onde José Costa ou Kosta Zsoze, escritor anónimo pago para produzir textos que outros assinam, procura um encontro com o seu verdadeiro eu.



livro filme cinema chico buarque budapeste walter carvalho

Devia ser proibido debochar de quem se aventura em língua estrangeira. Certa manhã, ao deixar o metro por engano numa estação azul igual à dela, com um nome semelhante à estação da casa dela, telefonei da rua e disse: aí estou chegando quase”.

De facto, devia mesmo ser proibido troçar de quem “mergulha” em novos universos linguísticos, para mais quando se trata, segundo as más-línguas, do único idioma que o Diabo respeita: o húngaro. José Costa, personagem principal, carioca de gema e escritor de profissão, apaixona-se por Budapeste e principalmente pelo húngaro, quando se vê obrigado a passar a noite na cidade ao regressar de um congresso em Istambul.

livro filme cinema chico buarque budapeste walter carvalho

Rapidamente, estes sons e novas palavras “estranhas” tornam-se numa obsessão a dominar o mais rapidamente possível. José trabalha com Álvaro numa pequena agência, onde produz e escreve textos, mas quem os assina são outros. Ghost-writer, é o seu ofício. Ele é o pensamento e a mão por detrás da cara e do sucesso de conhecidos talentos. Mas isto, que para qualquer pessoa seria motivo de embaraço e até frustração, provoca em José um sentimento de orgulho ao saber que outros “somam vitórias” com os seus escritos.

Num vaivém entre duas cidades, duas identidades, vive também entre duas mulheres: no Rio de Janeiro ama Vanda, mas (re) lembra Kriska; em Budapeste ama Kriska, mas sente saudades de Vanda.

livro filme cinema chico buarque budapeste walter carvalho

A obra de Chico Buarque, que venceu entre outros o Prémio Jabuti em 2004, coloca no protagonista os dilemas e as questões de quem procura encontrar-se a si mesmo. Na adaptação de Walter Carvalho, falta (quase sempre) um dos ingredientes fundamentais: emoção. O realizador, que afirmou em várias entrevistas não ter sido completamente fiel ao livro, pecou pela pouca espontaneidade transmitida pelos personagens e pela falta de ligação coerente entre várias cenas, ao mesmo tempo que captou deslumbrantes imagens de Budapeste e deu vida a uma Kriska feita à medida da nossa imaginação.

Para quem lê a obra e depois assiste ao filme, torna-se inevitável fazer comparações. A maioria acaba sempre por eleger a primeira como a melhor das duas. Mas se cortar passagens faz parte do processo natural de um guião de cinema, em “Budapeste” há pequenos grandes detalhes omitidos, que aos olhos dos mais atentos (onde me incluo, sim) são os responsáveis pela tal falta de emotividade.

José Costa, Vanda e Kriska estão em ambos e são representados por Leonardo Medeiros, Giovanna Antonelli e Gabriella Hamori. O filme não começa da mesma forma que o livro, não é referida a irmã de Vanda e Álvaro ganha um novo físico, porém estes pormenores em nada afectam a própria história. Aliás, ela está lá, só que o percurso que acompanhamos ao longo da leitura, as interrogações e questionamentos que sentimos da parte de José, não nos chegam através do grande ecrã.

Só quem leu as páginas de Chico Buarque se apercebe de que quando Álvaro contrata um novo assistente e passado algum tempo outros tantos, o estilo próprio de José deixa de o ser. Estes foram treinados para escrever da mesma forma que este escrevia, fingindo ser outro. E a partir daí, o que José dava como a única certeza em si, fica abalada.

No livro, para além de estar dividido entre o Rio de Janeiro e Budapeste, está claramente com metade do coração em Vanda e com a outra em Kriska. Até ao fim ficamos na dúvida onde terminará o protagonista. No filme, a escolha fica clara bem mais cedo: o coração de José pouco ou nada está dividido.

O mesmo se pode dizer de várias pequenas coincidências e situações deliciosas de ler, e que ficam só mesmo para os leitores. O melhor de Budapeste? O final. Sem dúvida, um inesperado e grande desfecho. As imagens de sonho da cidade e a fantástica actuação de Kriska (Gabriella Hamori). Confesso que quando vi a actriz (e não a conhecia antes) , era exactamente como a tinha imaginado ao ler o livro. É, sem dúvida, aquela lufada de ar fresco que trouxe juntamente com Kosta Zsoze os momentos mais marcantes e também humorísticos de todo o filme.

livro filme cinema chico buarque budapeste walter carvalho



diana ribeiro

gosta de cores, comer algodão doce, ouvir as ondas do mar e cheirar livros novos. Não dispensa o uso de nenhum dos sentidos.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
v3/sbuarque,budapeste,carvalho,chico,cinema,filme,livro,walter,artes e ideias
Site Meter