DDiarte: barroco digital

O corpo humano é a matéria de eleição para as criações dos DDiarte. Muitas vezes, são eles próprios criadores e protagonistas das obras. Os jogos sedutores de cores e corpos segredam-nos histórias sarcásticas, mordazes, satíricas e oníricas e abrem-nos a porta da imaginação para um mundo mitológico, numa assumida subversão da realidade. O talento destes dois portugueses já há muito ultrapassou fronteiras.


barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Baco", Coleção Berardo (Medalha de Ouro Gaudi no Prémio Cidade de Réus de Fotografia na VI Bienal Internacional de Fotografia XLV Medalla Gaudi, para a obra, Espanha, 2007).

O projecto DDiarte nasceu de duas vontades: a de Diamantino Jesus (1969) e José Diogo (1966), naturais da Ilha da Madeira. O primeiro, apaixonado pela pintura e pelo desenho, licenciou-se em Arte e Design, e passou dois anos a estudar restauro, em Pamplona, Espanha. O segundo, além do talento para pintar e desenhar, sempre teve um enorme interesse por ciência e tecnologia, a que deu corpo com a licenciatura em Engenharia Química.

Em 1999 nasceu a DDiarte, inicialmente dedicada exclusivamente à pintura: realizaram algumas exposições colectivas e individuais e deixaram as suas marcas nos tectos de algumas igrejas. Em 2003, despertaram para a fotografia digital e, especialmente, para a manipulação digital das imagens. Desde então, estes dois inspiradíssimos e inspiradores autodidactas têm produzido obras de arte já reconhecidas mundialmente.

Move-os a paixão pela criação; pela materialização de uma história. Pelo caminho, numa busca hedonista pela perfeição, colocam o dedo bem no centro da indiferença e provocam as consciências mais distraídas. Acreditam que a arte nasce da combinação do sentimento, da vontade, da criatividade e da imaginação.

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Descida da Cruz".

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Love Machine".

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "O Desterrado".

Para se descreverem, utilizam as palavras de Romaric Sulger Buel, curador de uma das suas exposições: “Os dois artistas, Diamantino Jesus e Zé Diogo, são notáveis herdeiros de um barroco europeu, no seu conjunto, e do barroco português, em particular. Nada do que se relaciona com a luz, a forma e o corpo humano lhes é estranho. Um barroco que ultrapassaria, sem dificuldade, todos os obstáculos do neoclassicismo, do impressionismo, do cubismo e da abstracção para chegar ainda pertinente e actual até nós. Estamos perante dois artistas que, com uma arte absoluta da composição, jogam com os espaços e os volumes; estamos perante dois artistas que, instrumentalizando a técnica, jogam com as cores e os claros-escuros."

No leque dos projectos a concretizar nos próximos tempos estão a finalização de dezenas de obras que têm em mãos - muitas delas relacionadas com o meio ambiente e a sua degradação - para, depois, começar algo novo, inspirados numa corrente artística do passado e adaptando-a à realidade actual.

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Pesadelo" (4.º lugar no European Fine Art Photograph of the Year Award 2010).

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Sonho de Verão", Coleção Berardo (Medalha de Bronze Gaudi no Prémio Cidade de Réus de Fotografia, na VI Bienal Internacional de Fotografia XLV Medalla Gaudi, Espanha, 2003).

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Wake Up".

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Thera", Coleção Berardo, (Medalha de Bronze Gaudi no Prémio Cidade de Réus de Fotografia na VI Bienal Internacional de Fotografia XLV Medalla Gaudi, para a obra, Espanha, 2007).

Nos sonhos que se atrevem a sonhar guardam a vontade de ver obras DDiArte em museus importantes, a nível mundial e, principalmente, ver a sua maior obra - iniciada há cerca de três anos e ainda inacabada - na parede de um museu muito conhecido mundialmente, cujo nome preferem, para já, não referir.

Ganharam já um grande número de prémios, entre os quais o “Award of Excellence” no European Newspaper Award (Londres, 2006) e o European Fine Art Photograph of the Year Award (2010), com a obra “Cupido’s Playground”. Viram ainda a sua obra “Outono” publicada na revista francesa PHOTO (2011), por ocasião da publicação das 500 melhores fotos da publicação.

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Cupido Playground" (vencedora do European Fine Art Photograph of the Year Award (2010) e finalista no Masters Cup of Photography (2010)).

barroco, ddiarte, digital, fotografia, manipulacao © DDiarte, "Outono" (publicada na revista francesa PHOTO (2011), por ocasião da publicação das 500 melhores fotos, entre 50mil de 70 países, no maior concurso de fotografia do mundo.).

No mundo DDiarte, somos convidados a ceder à tentação da imaginação e da ilusão. Veja a página do facebook dos artistas.


marisa antunes

apaixona-se por tudo e pelos nadas e passa a vida a sonhar acordada. Tem uma assumida tentação pelo abismo e pelas quedas livres - sem rede - e acredita que tudo é possível.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp, eros //marisa antunes