Rome: o western imaginário de Danger Mouse & Danielle Luppi

Um dos produtores mais requisitados da música atual uniu a ambientação e sonoridade das trilhas clássicas de Ennio Morriconne com o pop contemporâneo pelas vozes de Norah Jones e Jack White. Uma mistura ousada que vai além dos clichês do saudosismo.


cinema, Danger, Danielle, Itália, Jack, Jones, Lupi, Morricone, Mouse, Norah, Rome, White

Engraçado pensar como em pleno 2011, com uma infinidade de possibilidades tecnológicas expandindo horizontes em diversos campos, a estética e temática do passado ainda tem força. Indo além de modismos ou do culto ao vintage, alguns recortes cronológicos inspiram artistas a criarem obras que acabam soando como um bem-vindo sopro de ar fresco em meio a produções corrigidas digitalmente até à perfeição e tons milimetricamente processados. O fetiche do papel no nanquim, da agulha no vinil e da película esfumaçada ainda são imbatíveis, que me desculpem as novas gerações.

Um desses recortes antológicos no tempo inspirou a gravação de um dos álbuns mais interessantes desse ano: Rome, de Danger Mouse & Danielle Luppi, dois músicos da nova geração (sendo que o primeiro é bastante conhecido como a contraparte do conjunto Gnarls Barkley em parceria com o vocalista Cee-Lo, além de colaborações com David Lynch). Para auxiliá-los, foram escalados outros nomes familiares da música atual que também não negam suas influências do passado, como Norah Jones e Jack White, "recém-divorciado" do White Stripes. No caso, foi a admiração pelo universo dos westerns italianos e pelas orquestrações do maestro Ennio Morriconne que motivou todo o processo criativo deste trabalho.

A "homenagem" aqui não fica a cargo de samplers (recurso já utilizado por Danger Mouse justamente em seu hit mais conhecido, Crazy, baseado em um tema de Gian Francesco Reverberi - confira no vídeo abaixo) ou qualquer outra citação pontual: dos arranjos aos equipamentos de gravação, passando pelos músicos, há uma conexão clara com a sonoridade épica e desoladora de filmes como Por um Punhado de Dólares e Era uma Vez no Oeste. O universo western não é o único revisitado aqui, já que o clima e as composições dos filmes giallo (voltados para o terror e suspense) também são citados como influência.

cinema, Danger, Danielle, Itália, Jack, Jones, Lupi, Morricone, Mouse, Norah, Rome, White

cinema, Danger, Danielle, Itália, Jack, Jones, Lupi, Morricone, Mouse, Norah, Rome, White

cinema, Danger, Danielle, Itália, Jack, Jones, Lupi, Morricone, Mouse, Norah, Rome, White

Em conjunto com Luppi, o produtor recrutou membros originais dos conjuntos Marc 4 e Cantori Moderni Choir - que gravaram alguns dos temas clássicos de Morricone -, realizou as gravações em Roma no mesmo estúdio onde as trilhas foram criadas e até mesmo vasculhou vilarejos italianos em busca de guitarras, órgãos e outros instrumentos daquele período. Todo esse processo certamente não foi simples, já que as gravações do álbum foram iniciadas há mais de cinco anos, os músicos já estavam aposentados e alguns instrumentos precisaram ser negociados em troca de garrafas de vinho... mas o esforço valeu a pena, pois há muito tempo não se ouvia sons tão originais em uma gravação contemporânea, passando longe dos beats, auto-tunes e sintetizadores atuais.

É importante dizer que essa predileção pelo analógico não significa que os autores de Rome sejam avessos à música moderna, pelo contrário: Mouse se tornou sinônimo da música produzida na última década em virtude do seu versátil portfólio, que inclui artistas diversos como Gorillaz, Beck, U2 e Broken Bells, sem falar no projeto The Grey Album, que mescla de maneira ímpar a música dos Beatles com Jay-Z (mas isso é assunto para outro artigo). Parte desse sucesso também pode ser creditado a Danielle Luppi, músico de ascendência italiana que já colabora com Burton desde o primeiro álbum do Gnarls Barkley. Ambos são artistas indubitavelmente conectados a seu tempo e à música pop, o que também fica evidente neste álbum.

Mesmo com uma proposta um tanto "rebuscada" para os dias atuais (ainda que com um evidente apelo cinematográfico), o resultado sonoro tem um frescor invejável e duração típica das melhores canções pop: não temos aqui épicos de dez minutos ou colagens experimentais, e sim melodias primorosas e arranjos que parecem flutuar no ar entre os ritmos irresistíveis de baixo e bateria - um dos destaques do disco, juntamente com as interpretações de Jack White e Norah Jones. São canções de um filme nunca finalizado, de algum deserto perdido no tempo e no espaço.

Ironicamente, a inovação tecnológica não foi totalmente abandonada em Rome, ao menos para a promoção do álbum. O filme interativo "3 Shades of Black" possibilita uma imersão por três "níveis" diferentes de sonho (alguém lembrou de Inception?) com animações e gráficos 3D, cada um com um estilo artístico diferente. Elaborado com uma tecnologia derivada do HTML5, o projeto foi idealizado pelo diretor Chris Milk, que realizou trabalhos audiovisuais semelhantes com Arcade Fire e o ícone Johnny Cash. Sem dúvidas, uma maneira inusitada de apresentar o disco para quem tem mais intimidade com o computador do que com as telas de cinema. Para entender melhor, vale a pena experimentar por conta própria através do site (utilizando o Google Chrome como navegador) ou conferir o making of abaixo.


fabio machado

ainda não se decidiu se é um jornalista que desenha ou um músico que escreve textos. Enquanto isso, continua fazendo um pouco de tudo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //fabio machado