Vivian Maier - A fotógrafa dos filmes não revelados

Quando o acervo de uma babá de Chicago que fotografava cenas de rua nos anos 50 foi encontrado por acaso num leilão e comprado por 400 dólares, ninguém poderia imaginar que a história, que parece mais um roteiro de filme de aventura, seria a revelação de uma fotógrafa que merece todo o reconhecimento depois de anos de obscuridade.


vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

Se uníssemos em uma só mulher a mágica de Mary Poppins, o olhar curioso sobre o mundo de Amélie Poulain e certa dose de excentricidade de Frida Kahlo, provavelmente o resultado seria uma mulher plural como Vivian Maier.

Vivian Maier nasceu em Nova York, em 1926. Filha de uma francesa e de um austríaco, passou alguns anos na França, retornando aos EUA definitivamente em 1951. Ela viveu em Nova York por um tempo e, após esse período, mudou-se para Chicago, onde passou o resto de sua vida trabalhando como babá.

Isso poderia ser uma história comum, como milhares que existem por aí, mas, além do talento para cuidar de crianças (segundo as famílias para quem trabalhou, ela era tão especial quanto Mary Poppins), Vivian possuía um olhar muito pessoal para a fotografia.

Durante todo o tempo em que trabalhou como babá, e quem sabe até mesmo antes disso, ela fotografou a vida nas ruas. Suas imagens mostram pessoas de todas as camadas da sociedade, de diversas faixas etárias e em várias situações. As fotografias ilustram principalmente a sociedade americana das décadas de 50 e 60. Imagens de senhoras de classe mais abastada passeando calmamente pelas ruas, mendigos dormindo nas calçadas e crianças brincando formam um retrato da vida da época.

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

Mas não foi apenas a sociedade americana que a artista retratou: um dia Maier decidiu, segundo o relato da família para quem ela trabalhava na época, colocar uma substituta em seu lugar e passar seis meses viajando pelo mundo. O resultado disso são fotos tiradas em Los Angeles, Manila, Bangkok, Taiwan, Vietnã, Egito, Beijing, Itália, França, Argentina e Nova York.

Boa parte das fotos reveladas até agora são das décadas de 1950 ou 60, mas sabe-se que existem ainda muitas fotos a serem reveladas que foram captadas nos anos posteriores.

Contudo, apesar de todos os anos que passou tirando fotos, ninguém conhecia o seu trabalho, nem mesmo as pessoas para quem ela trabalhou. Isso porque Maier era extremamente reservada em sua vida pessoal. Nunca mostrou sequer uma fotografia para alguém e centenas de rolos de filmes continuaram sem ser revelados, ou seja, nem ela mesma viu como as imagens ficaram. Isso só mudou quando, em 2007, seus pertences foram leiloados, por não ter quitado algumas dívidas.

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

John Maloof, na época o co-autor de um livro sobre um bairro de Chicago, pesquisava imagens do local e foi ao leilão com a intenção de comprar algumas fotografias que pudessem ajudar no seu trabalho. Nesse evento, ele comprou uma caixa com 30,000 negativos nos quais não havia nenhum indício de quem fosse o autor. Mas logo percebeu que essas imagens não iriam ajudá-lo na pesquisa e as deixou guardadas, até que sua curiosidade o levou a deter um olhar mais atento sobre elas.

John percebeu que as fotos eram muito boas, que o autor daquelas imagens possuía um olhar diferenciado e decidiu comprar outros negativos. Em meio a esses negativos e rolos de filme ele encontrou um referência ao nome da autora, até então desconhecida. Fez algumas pesquisas e não encontrou nenhum resultado sobre ela. Mas, em 2009, uma nova busca pelo nome da babá revelou o obituário de um jornal local, relatando seu falecimento poucos dias antes da data da pesquisa.

Diante desse novo resultado, John pode pesquisar mais sobre a vida de Vivian, entrou em contato com famílias para quem ela trabalhou e criou um blog para divulgar as fotografias. Além do blog, o projeto inclui a publicação de um livro com as imagens da fotógrafa e a filmagem de um documentário sobre ela.

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

Muitos aspectos da vida de Maier ainda continuam obscuros. Ela era uma mulher muito reservada. As famílias que a empregaram relatam que ela nunca telefonava e que eles não conheceram ninguém que tivesse algum tipo de relação com ela. Sobre a sua personalidade todos concordaram que ela era um tanto excêntrica. Era uma anti-católica, feminista, socialista e crítica de cinema. Aprendeu inglês indo a teatros, mas seu inglês tinha um forte acento francês. Vestia-se diferente das mulheres de sua época, usando jaquetas e sapatos masculinos, além de um grande chapéu. E o acessório permanente que usava era a câmara pendurada ao pescoço.

Existe um questionamento sobre o que Vivian Maier pensaria do projeto que envolve suas fotos. Muitas pessoas argumentam que ela mesma não faria isso - então, quem sabe seja uma invasão da privacidade à qual ela era tão apegada.

Isso nunca saberemos. O que nos resta é torcer para que nas centenas de fotos que ainda serão reveladas possamos continuar enxergando o mundo através da ótica peculiar dessa mulher.

Visite o blog Vivian Maier - Her Discovered Work.

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano

vivian maier fotografia chicago quotidiano cotidiano


jéssica parizotto

é uma proparoxítona, interessa-se por haicais, músicas pouco conhecidas e jogo de palavras. Queria voar de balão, mas tem medo de altura.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do obvious sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
x1
Site Meter