Frank Gehry: quando a arquitetura corre riscos

Para o arquiteto canadense Frank Gehry, radicado em Los Angeles, a geometria é instrumento de complicação. A sua capacidade de manipular as formas valeu-lhe o prêmio Pritzker, em 1989.


arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Guggenheim Bilbao (foto de: Izabela Americano)

Quando se pensa em arquitetura desconstrutivista, é quase inevitável utilizar como ilustração alguma das obras de Frank Gehry. Ele demonstra em seus trabalhos oposição à racionalidade ordenada do modernismo. Esqueçam o "menos é mais": isso o que menos se vê em seus edifícios.

A geometria é, para Gehry, instrumento de complicação. Através da manipulação das linhas e planos, ele esculpe a complexidade formal. E foi essa capacidade de manipular as formas que lhe rendeu o prêmio Pritzker, em 1989, além de diversos outros prêmios dos mais importantes que podem ser concedidos a um arquiteto.

Mas a obra que disseminou a fama de Gehry foi o Museu Guggenheim em Bilbao, no território basco, norte da Espanha, finalizado em 1997. O edifício, quase que inteiramente revestido de titânio, com contornos completamente inéditos e inusitados, atraiu os olhares de todo o mundo. Essa obra arquitetônica, sozinha, foi responsável por transformar a cidade, que era antes pouco conhecida, em ponto de paragem para milhões de turistas.

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Guggenheim Bilbao (foto de: Izabela Americano)

Ao longo das duas últimas décadas, diversas foram as obras projetadas por Frank Gehry que demonstram o caos controlado em formas imprevisíveis.

Uma delas é o Der Neue Zollhof, em Düsseldorf, Alemanha. O conjunto de três edifícios de escritórios, com formas semelhantes e revestimentos diferentes, fica localizado na beira do rio Reno, na zona portuária da cidade. A área construída dos três edifícios soma um total de 28 mil metros quadrados. A obra de Gehry faz parte de um conjunto de projetos que revitalizaram a região.

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Der Neue Zollhof (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Der Neue Zollhof (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Der Neue Zollhof (foto de: Izabela Americano)

Em Herford, Alemanha, Gehry projetou Marta, um edifício de 8 mil metros quadrados de área construída, que aloja atividades diversas - entre elas, um museu e um café. A obra foi realizada com tijolos típicos da região.

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Marta (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Marta (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker Marta (foto de: Izabela Americano)

Em Berlim, assinou o DG Bank Headquarters, cujo átrio central abriga uma enorme escultura de aço e madeira que parece flutuar sob a cobertura de vidro.

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker DG Bank 03 (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker DG Bank 03 (foto de: Izabela Americano)

arquitetura, bilbao, desconstrutivismo, desconstrutivista, Frank, Gehry, guggenheim, pritzker DG Bank 03 (foto de: Izabela Americano)

A popularidade de Frank Gehry foi atestada pela sua aparição no seriado Os Simpsons, no episódio em que Marge Simpson escreve uma carta ao arquiteto solicitando que vá a Springfield projetar uma casa de concertos. Ele amassa a carta e joga no chão. Quando olha para o papel amassado, visualiza os contornos do edifício em Springfield, e faz o projeto inspirado nessa forma inusitada.

Os métodos de trabalho e a vida do arquiteto foram registrados em um documentário chamado Esboços de Frank Gehry. A película foi filmada, a pedido dele mesmo, por seu amigo, o famoso cineasta Sydney Pollack. O filme mostra interessantes cenas do processo criativo de Gehry, como discussões com a equipe e intervenções sobre maquetes, como se estivessem esculpindo as formas até atingir o objetivo.

São registros que revelam uma personalidade dinâmica, questionadora e encantadora. Uma nova forma de enxergar a arquitetura, bem descrita por Gehry em seu discurso de recebimento do prêmio Pritzker: "Arquitetura é um pequeno pedaço da equação humana, mas aqueles de nós que a praticam acreditamo no seu potencial para fazer a diferença, para iluminar e enriquecer a experiência humana, para penetrar as barreiras da incompreensão e fornecer um contexto bonito para o drama da vida."

Frank Gehry acredita no papel da emoção. O objetivo de seus projetos é intrigar espectador, e para isso rompeu com a arquitetura tradicional, neutra. Conquistou a admiração de muitos, e a crítica de outros. Mas, como um bom artista, correu o risco.


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 7/s/arquitetura// @obvious, @obvioushp //izabelalima
Site Meter